Território pesqueiro. Entre terra, água e educação

Taise dos Santos Alves

Resumo


Ao descrever os territórios pesqueiros, em suas múltiplas perspectivas de analises, é observada a ideia do saber adquirindo pela experiência como um ato de educar para ser e se fazer pescadores(as) artesanais. Estes territórios são construídos a partir do trabalho e da apropriação da natureza, o que o torna fluído entre o meio aquático e, também, terrestre. Assim, o presente artigo, tem como objetivo trazer as subjetividades dos pescadores(as) artesanais em seus territórios como elo educativo, visto que, o espaço da escola (formal) tem se tornado para os(as) pescadores(as), um local de disputas e negação da identidade pesqueira. Nesse sentido, (re)pensar uma educação que inclua as subjetividades dos territórios pesqueiros é legitimar uma educação diversa, inclusiva, plural e participativa, além de, uma justiça educacional.  


Palavras-chave


Território Pesqueiro; Educação; Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, C. R. Educação popular. 5ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

CAETANO, Hugo Silva. Na maré e na escola: experiências educativas de marisqueiras de Salinas da Margarida-BA. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade)-Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2013.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Educação Escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, v. -, n. 23, p. 156-168, 2003.

CARDOSO, Eduardo S. Da apropriação da natureza à construção de territórios pesqueiros. GEOUSP - Espaço e tempo, São Paulo, n. 14, p. 119-125, 2003.

CARNEIRO, Sueli. Em legitima defesa. Portal Geledés, 7 out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2017.

ESCOLA SEM PARTIDO. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

______. Pedagogia do oprimido. 27ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

IBGE. Censo Educacional - Bahia. IBGE, 2014.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar. INEP, 2010-2019.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 2001.

MALDONADO, S. C. Mestre e Mares: espaço e indivisão na pesca marítima. 2. ed. São Paulo: Annablume, 1993.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MPP. Movimento dos Pescadores Artesanais. Cartilha Movimento Pescadores e Pescadoras Artesanais. Bahia, MPP, jul. 2012

QUEIROZ, Cecília Telma Alves Pontes de; MOITA, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro. Fundamentos sócio-filosóficos da educação. Campina Grande / Natal: UEPB/UFRN, 2007.

RIOS, Kássia A. N. Da produção do espaço à construção dos territórios pesqueiros: pescadores artesanais e carcinicultores do Distrito de Acupe – Santo Amaro (BA). 276 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

TAVARES, J. Construção do conhecimento e aprendizagem. In: Almeida, L. S. & Tavares, J. Conhecer, aprender, avaliar. Porto: Porto Editora, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: