A falência do modelo escolar tradicional e a necessária construção de uma educação integral e comunitária

Leonardo Freire Marino

Resumo


Historicamente, a escola ocupa um lugar central em nossas vidas. Carregamos muitas lembranças do ambiente escolar, de amizades construídas em salas de aulas e de momentos em que fomos submetidos a procedimentos de avaliação, como provas e teste. No entanto, desde as últimas décadas do século XX, a escola sofre um profundo questionamento. Seus objetivos, procedimentos e normas de funcionamento têm sido objetos de críticas, especialmente, por não carregarem mais a eficiência que apresentavam no passado. Parte desta crise tem suas origens na passagem da Sociedade Disciplinar para a Sociedade de Controle e nos processos de construção de novas subjetividades e formas de ser e estar no mundo, aspectos característicos da transição entre modelos distintos de Sociedade. Frente a este cenário, o presente artigo propõe investigar as razões para a crise do modelo escolar e apontar a necessidade para a sua refundação. 


Palavras-chave


Sociedade Disciplinar; Sociedade de Controle; Educação Integral; Comunidades Educadoras; Juventude.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Gaiolas e Asas. Folha de São Paulo, 5 dez. 2001. Disponível em: . 20 nov. 2019.

ARROYO, Miguel. Políticas educacionais e desigualdades: à procura de novos significados. Educação e Sociedade, Campinas, Unicamp, v. 31, n. 113, p 1381-1416, out./dez. 2010.

CANÁRIO, Rui. A escola: das promessas as incertezas. Revista Educação Unisinos, Porto Alegre, n. 12, p. 73-81, maio/ago. 2008.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992. 232p.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território e População: Curso no Collége de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008a. 572p.

______. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008b. 236p.

______. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987. 262p.

GADOTTI, Moacir. A escola na cidade que educa. Caderno Cenpec, n 1, 2006.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

HOOKS, Bell. Abraçar a Mudança: o ensino num mundo multicultural. In: ______. Ensinando a transgredir - a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

LIPOVETSKY, G. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MARINO, Leonardo. Escola e violência: a busca pela ampliação do termo violência escolar frente a realidade brasileira. Revista E-mosaicos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 130-144, maio/ago. 2019.

______. Derrubando muros e cercas: novas abordagens para o ensino da Geografia no século XXI. Revista E-mosaicos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 18, p. 157-179, maio/ago. 2018.

______. A educação aprisionada: as amarras produzidas pelo espaço escolar. Jornal Estado de Direito, Porto Alegre, 30 jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

NARANJO, Claudio. A Educação atual produz Zumbis. Revista Época, 30 maio 2015. Disponível em: . 20 nov. 2019.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Um olhar sobre a educação (Education at a Glance 2018). Paris: OCDE, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

PATTO, Maria Helena Souza. Escolas cheias, cadeias vazias: notas sobre as raízes ideológicas do pensamento educacional brasileiro. Estudos Avançados. São Paulo, v. 21, no 61. set/dez. 2007.

PESSOA, Fernando. Poesia de Álvaro de Campos. São Paulo: Martin Claret, 2007. 600p.

VEIGA-NETO, Alfredo. Disciplina e controle na escola: do aluno dócil ao aluno flexível. Anais do IV Colóquio luso-brasileiro sobre questões curriculares. Florianópolis: UFSC, 2008. p. 1-18.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002. 384p.

SIBILIA, Paula. A escola no mundo hiperconectado: redes em vez de muros. Revista Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 195-211, jan./jun. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: