A investigação, o diálogo e a autoavaliação na formação de licenciandos mediados pela monitoria

Vânia Alves Martins Chaigar, Ana Roberta Machado Siqueira

Resumo


O texto narra uma experiência refletida no campo do ensino e da aprendizagem com estudantes de licenciatura, na disciplina de didática, em uma universidade pública no sul do país. Nela a professora e a monitora construíram, juntamente com os licenciandos, um processo educativo balizado pela investigação, pelo diálogo e pela autoavaliação. Em um contexto histórico de efervescência no qual jovens estudantes do ensino básico ocupavam escolas públicas e colocavam à sociedade a instituição escolar como pauta a ser enfrentada, estudantes universitários reivindicavam maior aproximação desse acontecimento, o que gerou movimentos na docente e na jovem monitora. Passados três anos e imersas em retrocessos que afetam profundamente subjetividades, assim como a vida objetiva de cada uma de nós, voltamos à experiência, à beleza dessa construção para levantarmos, não apenas sua memória inspiradora, mas, também, para refletir sobre alguns dos pressupostos que a ampararam. Mesmo na contramão de projetos formativos destilados no individualismo e na competição, reafirmamos o valor da colaboração e da solidariedade na formação de professores, assim como na adesão a metodologias que mobilizem discentes a alcançarem suas aprendizagens pela investigação e pelo diálogo. No caso específico confere destacar o importante papel de mediadora ocupado pela monitora quer tenha sido através da linguagem semelhante ou proximidade geracional, auxiliou a mobilizar aprendizagens e reforçar sua condição de protagonista na sala de aula.


Palavras-chave


Formação de Professores; Ensino-pesquisa; Autoavaliação.

Texto completo:

PDF

Referências


BALZAN, Newton. Indissociabilidade ensino-pesquisa como princípio metodológico. In: VEIGA, Ilma Passos (Org.). Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas, SP: Papirus, 2000. p. 115-136.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Cotidiano, Mediação Pedagógica e Formação de Conceitos: Uma Contribuição de Vygotsky ao Ensino de Geografia. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 66, p. 185-207, maio/ago. 2005.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Trad. Ephraim Ferreira Alves. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. (V1, As artes de fazer).

CUNHA, Maria Isabel da. A didática como construção: aprendendo com o fazer e pesquisando com o saber. In: SILVA, Aida Maria Monteiro; MACHADO, Laêda Machado; MELO, Márcia; AGUIAR, Maria da Conceição (Org.). Educação formal e não formal, processos formativos, saberes pedagógicos: desafios para a inclusão social. Recife: Edições Bagaço, 2006. p. 485-503.

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FERNANDES, Cleoni M. Barboza. O espaço-tempo do estágio nos movimentos do curso: interrogantes, desafios e construção de territorialidades. In: TRAVERSINI, Clarice; EGGERT, Edla; PERES, E.; BONIN, Iara (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2008. p. 231-248. (Livro 2).

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. São Paulo: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997. (Coleção Leitura).

FREIRE, Ana Maria Araújo. Pedagogia da Solidariedade. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

MARTINS, Pura Lúcia Oliver. O campo da didática: expressões das contradições da prática. In: TRAVERSINI, Clarice; EGGERT, Edla; PERES, E.; BONIN, Iara (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2008. p. 585-601. (Livro 1).

SANTOS, Milton. Os deficientes cívicos. Folha de São Paulo, 24 jan. 1999. Disponível em: . Acesso em: 15 junho 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: