Hortas escolares na educação geográfica: reflexões sobre um modo de fazer

Larissa Marchesan, Lívia de Souza C. Selhane, Ana Maria Hoepers Preve

Resumo


O presente texto resulta de uma metodologia com horta numa escola pública estadual em Florianópolis (Santa Catarina). Por aproximadamente três anos exercitamos um trabalho com a geografia e com as hortas nesta escola com o objetivo de refletir sobre a ocupação das plantas e de nossas práticas dada a imagem que tínhamos de hortas. Descreveremos o que acontece quando canteiros ordenados não sustentam mais uma ideia, uma imagem. Em nossas narrativas aparecem os momentos desse processo, inclusive o que está no meio, uma zona de fronteira. Utilizamos da prática das oficinas para pouco a pouco transformar uma horta escolar em uma hortajardim. Vemos a hortajardim como uma possibilidade para a construção de saberes geográficos tanto para os estudantes como para os professores. Este espaço nos permitiu refletir sobre o estudar, preparar aulas de geografia, exercitar aulas, brincar com os alunos em contato direto com a terra. A atenção a este procedimento nos permitiu relacionar as hortas escolares a uma série de outros procedimentos e funcionamentos escolares.O presente texto resulta de uma metodologia com horta numa escola pública estadual em Florianópolis (Santa Catarina). Por aproximadamente três anos exercitamos um trabalho com a geografia e com as hortas nesta escola com o objetivo de refletir sobre a ocupação das plantas e de nossas práticas dada a imagem que tínhamos de hortas. Descreveremos o que acontece quando canteiros ordenados não sustentam mais uma ideia, uma imagem. Em nossas narrativas aparecem os momentos desse processo, inclusive o que está no meio, uma zona de fronteira. Utilizamos da prática das oficinas para pouco a pouco transformar uma horta escolar em uma hortajardim. Vemos a hortajardim como uma possibilidade para a construção de saberes geográficos tanto para os estudantes como para os professores. Este espaço nos permitiu refletir sobre o estudar, preparar aulas de geografia, exercitar aulas, brincar com os alunos em contato direto com a terra. A atenção a este procedimento nos permitiu relacionar as hortas escolares a uma série de outros procedimentos e funcionamentos escolares.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Educação em Geografia; Horta Escolar; Jardim; Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Formando o Com-vida: Construindo agenda 21 na Escola. Brasília: Mec, 2012.

CARERI, Francesco. Caminhar e parar. Barcelona: Gustavo Gili, 2017.

COCCIA, Emanuele. A vida das plantas: uma metafísica da mistura. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 56ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MARCHESAN, Larissa. Brincar fazendo geografia: experiências na terra e com a terra. 2019. 75 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Geografia)-Departamento de Geografia, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

PREVE, Ana Maria Hoepers. Geografias, imagens e educação: experiências. Entre-lugar, Dourados, MS, n. 7, p. 49-66, jan. 2013.

______. Cartografias intensivas: notas para uma educação em geografia. Geografares, Vitória, v. 12, p.50-75, 02 jul. 2012.

______. Sexualidade, quem precisa disso? A trajetória de uma oficina. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação)-Programa de Pós-Graduação em Educação, UFSC, Florianópolis, 1997.

VALLADARES, M. T. R. Currículos escrevividos nas zonas de fronteiras do estágio supervisionado: a narrativa de vida como formação docente. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRÁTICA E ENSINO DE GEOGRAFIA. 10., 2009, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS/AGB - Seção Porto Alegre, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: