Geografia, arte e filosofia: vivenciando a criação de móbiles como cartografia participativa no ensino de geografia

Maria Lucia Cunha Lopes de Oliveira

Resumo


Vivenciando a criação participativa de móbiles em espaços públicos, refletimos sobre sua possível relevância para o ensino de Geografia. A pesquisa orienta-se teórico-metodologicamente por um diálogo inter-transdisciplinar entrelaçando Arte, Geografia, Educação e Filosofia. Vemos que a construção e avaliação coletiva de móbiles interativos ajuda-nos a perceber e a grafar processos-espaços vivos, relacionais, em permanente movimento. Permite-nos reconhecer o papel dos sujeitos na produção de espaços educacionais-sociais, relações entre auto e heteronomia, bem como identificar desafios epistemológicos, políticos e pedagógicos que emergem na docência-discência.

Palavras-chave


Cartografia Participativa; Arte; Espaços Relacionais; Educação Dialógica; Ensino de Geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A pergunta a várias mãos: a experiência da pesquisa no trabalho do educador. São Paulo: Cortez, 2003.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Capitalisme et Schizophrènie: mille plateuax. Paris: Minut, 1980.

FERREIRA GULLAR, José. Calder e a alquimia do peso. In: SARAIVA, Roberta (Org.). Calder no Brasil. São Paulo: Cosac Naïf/Pinacoteca do Estado, 2006.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

GALLO, Sílvio. Deleuze e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand, 2004.

______.Territórios alternativos. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2006.

HARVEY, David. O arquiteto rebelde em ação. In: Espaços de esperança. São Paulo: Loyola, 2006.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. In: Espaço e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008[1972].

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: por uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994[1945].

MOORE, Adam. Rethinking scales as a geographical category: from analysis to practice. Progress in Human Geography, v. 32, n. 2, p. 203-225, april 2008.

OLIVEIRA, Maria Lucia C. L. Vivenciando e investigando redes como territórios de resistência e construções político-pedagógicas emancipatórias no cotidiano de espaços públicos: Diálogos entre andarilhanças, reflexões e esperanças. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA POLÍTICA, TERRITÓRIO E PODER. 1., Curitiba, 2009. Anais... Curitiba: UNICURITIBA, 2009.

______.; OLIVEIRA, O. A. M.; SILVA, C. A. L.; LAPIP, F. V.; ROBAINA, I. M. M.; CORRÊA, L. V.; ARRUDA, L. C. M. P.; LADEIRA, N.; SANTOS, P. S. M.; TAMBERLINI, V. Cartografando processos construídos em movimentos de redes colaborativas: vamos criar um móbile?. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS. 16., 2010, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: AGB/UFRGS, 2010.

PEDROSA, Mário. A máquina, Calder, Leger e outros. In: SARAIVA, Roberta (Org.). Calder no Brasil. São Paulo: Cosac Naïf/Pinacoteca do Estado, 2006.

SARAIVA, Roberta (Org.). Calder no Brasil. São Paulo: Cosac Naïf/Pinacoteca do Estado, 2006.

SCOTT, James. Los dominados y el arte de la resistencia. México: Ediciones Era, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: