Pesquisa na escola em diálogo com o projeto "Nós Propomos!": um debate metodológico

Tatiane Ribeiro, Adriana Maria Andreis, Gerson Junior Naibo

Resumo


O processo de ensinar e aprender a pesquisar, no âmbito da escola de Educação Básica (EB) é complexo e difícil de ser implementado. Há empenhos e iniciativas ao enfrentamento de seus limites. Contudo, as investigações e os diálogos com as escolas permitem inferir questões que continuam latentes, demandando à importância do diálogo sistemático entre universidade e escola. Nesse contexto, o presente texto tem como objetivo apresentar os elementos e aspectos teórico-metodológicos, que sustentam a pesquisa, tomando como referência processos desenvolvidos no Mestrado em Geografia (PPGGeo/UFFS). Organizamos o escrito em quatro partes: inicialmente as considerações introdutórias; como segundo ponto a problematização e contextualização do processo de pesquisar na escola, trazendo elementos da interlocução com o “Nós Propomos!”; em terceiro momento apresentamos o percurso bibliográfico, documental e empírico; e, por fim nas considerações finais apontando como resultados, a reflexão acerca das potencialidades do percurso de pesquisa proposto, ao enfrentamento do desafio de ensinar e aprender a pesquisar na escola.

Palavras-chave


“Nós Propomos!”; Pesquisa Escolar; Ensino Médio; Mestrado em Geografia; Metodologia de Pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Francisco Cordeiro. Diário: contributo para o desenvolvimento profissional dos professores e estudo dos seus dilemas. Millenium: Revista do ISPV, n. 29, p. 222-239, jun. 2004.

ANDREIS, Adriana Maria. Cotidiano: uma categoria geográfica para ensinar e aprender na escola. Tese (Doutorado em Educação nas Ciências)-PPGEC, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí/RS, 2014.

BRASIL. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

_______. Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Aprova o Plano Nacional de Educação-PNE e dá outras providências. Brasília, DF.

_______. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2018.

CALLAI, H. C. Estudar o lugar para compreender o mundo: o lugar na geografia. In: CASTROGIOVANNI, A. (Org). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 7ª ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2000. p. 83-131.

CARNIATTO, I. A formação do sujeito professor: investigação narrativa em Ciências/Biologia. Cascavel: Edunioeste, 2002.

CLAUDINO, S. Escola, educação geográfica e cidadania territorial. Scripta Nova: Revista Electrónica de Geografía y Ciencias sociales, Barcelona, v. 18, n. 496 (09), p. 1-10, dec. 2014.

______. Entrevista concedida a Renata Brückmann. Florianópolis, 7 nov. 2017.

______. Educação geográfica, trabalho de campo e cidadania. O Projeto Nós Propomos!. In: VEIGA, Feliciano H. (Coord.). O ensino na escola de hoje: teoria, investigação e aplicação. Lisboa: Climepsi Editores, 2018.

DEMO, P. A tecnologia na educação e na aprendizagem. In: EDUCADOR 2000, CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO. São Paulo: Promofair, 2000.

______. Educar pela pesquisa. 8ª ed. Campinas: Autores Associados, 2007.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In: GENTILI, P; SILVA, T. T. Neoliberalismo, qualidade total e educação - visões críticas. Petrópolis: Vozes, 1994.

GERHARD, A. C.; FILHO, J. B. A Fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, v. 17, n. 1, p. 125-145, 2012.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das letras, 1989.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. vol. 2.

MARQUES, Mario Osório. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Ijuí: Uniu, 2001.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço - uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

______. The geographical mind. In: BALDERSTONE, D. (ed.). Secondary Geography Handbook. Sheffield: Geographical Association, 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2019.

______. Um sentido global del lugar. Barcelona: Icária, 2012.

OLIVEIRA, A. M.; GEREVINI, A. M.; STROHSCHOEN, A. A. G. Diário de bordo: uma ferramenta metodológica para o desenvolvimento da alfabetização científica. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, SE, v. 10, n. 22, p. 119-132, maio/ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2019.

PINTO, João Rocha. Houve diários de bordo durante os séculos XV e XVI?. Revista da Universidade de Coimbra, Lisboa, Instituto de Investigação Científica e Tropical, v. 34, 1988.

PINHEIRO, R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção da integralidade. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ / IMS / ABRASCO, 2001.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: