Entrevista com o professor Enio Serra

Carolina Lima Vilela, Demian Garcia Castro

Resumo


A entrevista com o professor Enio Serra nos proporcionou verdadeiro passeio pelas transformações do ensino de geografia e as políticas educacionais nas últimas décadas, especialmente no Rio de Janeiro. Ao compartilhar sua trajetória pessoal, em um relato descontraído, ele traz reflexões sobre a formação de professores desde sua perspectiva de estudante de Geografia da UERJ na década de 1980, até como professor da Faculdade de Educação da UFRJ, cargo que exerce desde os anos 2000. Ênio também fez parte do grupo de professores que protagonizou a implementação de políticas públicas educacionais inovadoras, como a que ocorreu no município de Angra na década de 1990. Foi a partir do chão da sala de aula que o professor se tornou um pesquisador na área da Educação, elegendo a Educação de Jovens e Adultos (EJA) como seu tema de interesse. Nessa conversa, pudemos compartilhar suas reflexões sobre os rumos - nem sempre animadores, é verdade - desta modalidade de ensino. Este terreno árido não tem sido, porém, um impedimento para sua luta aliada à produção de conhecimento. Foi por meio da sua atuação nos fóruns da EJA que Ênio passou a produzir reflexões também no campo da Geografia da Educação, tema das suas produções mais recentes. Em sua fala, encontramos o estímulo de um professor apaixonado pelo ofício e que, por isso, nunca se separou da militância. Enio é graduado em Geografia pela UERJ, Mestre e Doutor em Educação pela UFF, Professor Associado da Faculdade de Educação da UFRJ


Palavras-chave


Formação de Professores; Ensino de Geografia; EJA; Geografia da Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Parecer CEB 11/2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: MEC, 2000.

______. CNE/CP. Parecer 9/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, MEC/CNE, Brasília, 18 jan. 2002, Seção 1, p. 31. Disponível em: .

______. Ministério da Educação / Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Caderno metodológico para o professor. São Paulo: Unitrabalho; Brasília: MEC/SECAD, 2007. (Coleção Cadernos de EJA).

GIROTO, E. A dimensão espacial da escola pública: leituras sobre a reorganização da rede estadual de São Paulo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p.1121-1141, out./dez. 2016.

______ (Org.). Atlas da rede estadual de educação de São Paulo. Curitiba: CRV, 2018.

GOMES, M. V. Geografias da Educação: em defesa de um subcampo e pela construção de um outro olhar para a educação escolar, 2020. 204 f. Exame de Qualificação (Doutorado em Geografia)-Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

HATO, J. T. Geografia da educação. 2010. 141 f. (Mestrado em Geografia)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

KULESZA, W. A. Para uma geografia da educação. In: ALBUQUERQUE, M. A.; FERREIRA, J. A. S. (Org.). Formação, pesquisa e práticas docentes: reformas curriculares em questão. João Pessoa: Editora Mídia, 2013.

SERRA, E.; VENTURA, J.; ALVARENGA, M.; REGUERA, E. Interrogando o direito á educação: oferta e demanda por educação de jovens e adultos no estado do Rio de Janeiro. Revista Crítica Educativa, v. 3, n. 3, p. 25-41, 2017.

SERRA, E.; REGUERA, E. Análise espacial da relação entre oferta e demanda por Educação de Jovens e Adultos na cidade do Rio de Janeiro. RUMMERT, S. M. (Org.) Educação de jovens e adultos trabalhadores: história, lutas e direito em risco. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019.

SERRA, E.; ROCHA, A. A.; MARQUES, R. O olhar geográfico sobre a escola: uma ação pedagógica na formação inicial do professor de geografia. In: MONTEIRO, Solange A. S. (Org.). Formação docente: princípios e fundamentos 5. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019.

TARDIF, M. Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade, práticas e saberes no magistério. In: CANDAU, V. M. (Org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A. 2002.

TRICART, Jean. A Geomorfologia e o pensamento marxista. Território livre, São Paulo, n. 2, 1980.

YOON, E.; GULSON, K.; LUBIENSKI, C. A brief history of the geography of education policy: ongoing conversations and generative tensions. AERA Open. v. 4, n. 4, p. 1–9, out./dez. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: