A formação continuada dos professores de geografia no Brasil e o uso de geotecnologias: discutindo o lugar do lugar

Isaac Gabriel Gayer Fialho da Rosa

Resumo


 

Observa-se atualmente no Brasil uma discussão acerca da necessidade de se melhorar a qualidade da educação básica brasileira. Sendo assim, se defende uma valorização de políticas de formação continuada de professores, pois se argumenta em muitos casos, que esses profissionais não possuem a devida qualificação para a construção de práticas educativas eficientes e eficazes. Nesse sentido incentiva-se a utilização de novas tecnologias para que as aulas se tornem mais dinâmicas e assim mais atraentes para os alunos. Nessa maneira, criticamos esse tipo de formação para os professores de geografia, já que se argumenta que essa se manifesta mais como um manual que tenta trazer respostas prontas que devem ser seguidas pelos educadores, do que um espaço que permite uma reflexão e uma valorização de saberes prévios de estudantes e professores. Sendo assim, como uma possibilidade de enriquecimento dessas políticas se aponta a necessidade da valorização do conceito de lugar, para que as geotecnologias usadas nesses processos formacionais se enquadrem como mecanismos que possibilitem uma valorização do espaço-vivido dos atores escolares e não como negadoras dessa dimensão mais próxima do espaço geográfico.



Palavras-chave


Formação continuada de professores; Lugar; Geotecnologias; Políticas públicas de educação; Geografia escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. Por uma educação romântica. Campinas: Papirus, 2002.

APPLE, M. W. Educating the “right” way: markets standards, God and equality. New York: Routledge Falmer, 2001.

BALL, S. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BALL, S. et al. School choice, social class and distinction: the realization of social advantage in education. Journal of Educational Policy, London, v. 11, n. 1, p. 89-112, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: história e geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998.

________. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: geografia. Brasília: MEC/SEF, 1999a.

________. Ministério da Educação. Programa nacional do livro didático. Brasília: MEC/SEF, 1999b.

CASTELLAR, S. M. V. As aproximações dos conceitos construtivistas e a aprendizagem no ensino de geografia. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA, 5., 2003, Presidente Prudente. Anais... Presidente Prudente: UNESP, 2003. (CD-ROM)

CASTRO, I. E. O problema da escala. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p. 117-140.

CORAGGIO, J. L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: TOMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996. p.75-124.

CORRÊA, R. L. Espaço: um conceito-chave da geografia. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p. 42-73.

CURY, C. R. J. A educação básica no Brasil. Educação & Sociedade, CEDES, Campinas, v. 23, n. 80, p. 169-201, 2002.

FRANCO, S. R. K. O construtivismo e a educação. Porto Alegre: Mediação editora, 1995.

HAETINGER, D. et al. Formação de professores e práticas pedagógicas no contexto escolar das séries iniciais. Novas tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 98-136, 2006.

JULIÃO, R. P. Geografia, Informação e Sociedade. GEOINOVA, Revista de Geografia e Planejamento Regional, Lisboa, nº 22, p. 95-108, 1999.

PERRENOUD, P. Dez Novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

REGO, N. Geração de ambiências: três conceitos articuladores. Terra Livre, AGB, São Paulo, n.19, p. 136-175, 2002.

SANTOS, L. L. C. P. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação & Sociedade, CEDES, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, 2004.

SANTOS, M. Espaço, mundo globalizado, pós-modernidade (entrevista). Margem, São Paulo, n. 2, p. 51-81, 1993.

SANTOS, V. M. N. O uso escolar das imagens de satélite: a socialização da ciência e tecnologia. In: PENTEADO, Heloisa D. Pedagogia da Comunicação. São Paulo: Cortez, 1998. p. 69-89.

SPOSITO, E. S. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: Ed. UNESP, 2004.

STRAFORINI, R. O desafio da totalidade mundo nas séries iniciais. São Paulo: Annablume, 2004.

________. A totalidade mundo nas primeiras séries do ensino fundamental: Um desafio a ser enfrentado. Terra Livre, AGB, São Paulo, n.18, p. 110-149, 2002.

SUERTEGARAY, D. M. A.; HEIDRICH, A.; REGO, N. O ensino de geografia como uma hermenêutica instauradora. Terra Livre, AGB, São Paulo, n.16, p. 98-136, 2001.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica: as estratégias do Banco Mundial. In: TOMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996. p. 125-191.

VIEIRA, E. F. C. Produção de material didático utilizando ferramentas de geoprocessamento. 32f. Monografia (Especialização em Geoprocessamento)-Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2001.

WHITTY, G. Controle do currículo e quase-mercado: a recente reforma educacional na Inglaterra e no País de Gales. SEMINÁRIO INTERNACIONAL NOVAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: CRÍTICAS E PERSPECTIVAS, 2., 1996, São Paulo. Anais... São Paulo: PUCSP, 1996. CD-ROM.

WHITTY, G.; POWER, S. Mercados educacionais e a comunidade. Educação & Sociedade, CEDES, Campinas, v. 24, n. 84 (especial), p. 791-815, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: