A narrativa como experiência do conhecer – formação para a individuação

Erika Souza Leme, Marta Cardoso Guedes

Resumo


Neste artigo temos como objetivo discutir a transformação de alguns aspectos da vida contemporânea, como o desaparecimento da experiência e o declínio da narração. Embasados na Teoria Crítica da Sociedade, trouxemos à tona as reflexões de Adorno, Horkheimer e Benjamin sobre a sociedade moderna e, portanto, administrada. Para os referidos autores as formas de organização e as relações humanas foram cunhadas pelo pensamento ordenador, que diz respeito ao modo pelo qual o processo racional de esclarecimento impossibilita uma relação substancial entre experiência e pensamento em nome do progresso da sociedade. Frente a isso, entendemos que devemos recusar a coisificação do indivíduo e pela educação para a individuação temos a possibilidade de formar o indivíduo imbricado com o coletivo, ou seja, sem perder a universalidade que nos constitui.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO,T. W. Educação e Emancipação. 5ª reimpressão. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

ADORNO, T. W. & HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

BENJAMIN, W. Magia e Técnica, Arte e Política- ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas, v. 1, 1987.

GUEDES, M. C. INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO NA ROCINHA: Vivências lúdico-criadoras do fazer artístico nas culturas, políticas e práticas de uma escola de ensino fundamental, dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro – URFJ, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v2i2.1617

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.