Teorias e práticas de Geografia na escola: produção de saberes escolares e formação docente no PIBID

Denizart Fortuna, Juliana Nascimento

Resumo


O presente texto é resultado das primeiras reflexões sobre a formação de professores e, de saída, considera-se a ruptura existente entre o conhecimento acadêmico e o conhecimento cotidiano na perspectiva da construção dos saberes escolares. A hipótese é de que as dificuldades da aprendizagem perpassem pelo não reconhecimento dessa ruptura tanto pelos estudantes como também pelos licenciandos-professores. A nossa investigação sugere mais estudos empíricos sobre as nossas práticas de ensino no Programa da Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), vinculado à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e à Universidade Federal Fluminense (UFF)

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. C. S. Para uma análise das representações sobre as técnicas de ensino. In: VEIGA, I. P. A. (org.). Técnicas de ensino: por que não? 19º edição. Campinas: Papirus, 2008 [1991].

BARBOSA, M. V. O Pibid e as culturas formativas no âmbito dos cursos de licenciatura. BARBOSA, M. V.; DANTAS, F.B.A. (orgs.). Reflexões sobre a formação inicial de professores no Pibid. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

BRASIL, 2013. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID. Brasília: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Disponível em www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid. Acesso em 06/06/2015.

CASTELLAR, S.; VILHENA, J. Ensino de geografia. São Paulo: Cengage Learning Edições, 2010.

GABRIEL, C. T. Usos e abusos do conceito de transposição didática – considerações a partir do campo disciplinar de História. IN: IV Seminário Perspectivas do Ensino de História. Ouro Preto: UFOP, 2001.

GONÇALVES, A. R. Matrizes formativas históricas e marcas recentes na formação inicial de professores no Brasil. In: BARBOSA, M. V.; DANTAS, F.B.A. (orgs.). Reflexões sobre a formação inicial de professores no Pibid. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

LOPES, A. C. R. Conhecimento escolar em química: processo de mediação didática da ciência. Química Nova, v. 20, nº 5, 1997, p. 563-568.

MARANDINO, M. Transposição ou recontextualização? Sobre a produção de saberes em museus de ciências. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 26, p. 95-108, mai.-ago. 2004.

MATURANA, H. Ontologia da realidade. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

KAERCHER, N. A. Práticas geográficas para lerpensar o mundo, converentendersar com o outro e entenderscobrir a si mesmo. In: REGO, N. et. al. (org.) Geografia: práticas pedagógicas para o ensino médio. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ROSA, D. E. G. Formação de professores: concepções e práticas. In: CAVALCANTI, L. de S. (org.) Formação de professores: concepções e práticas em Geografia. Goiânia: Ed. Vieira, 2006.

SCHNETZLER, R. P. Prefácio. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D., PEREIRA, E. M. A. P. (orgs.) Cartografias do trabalho docente. Professor(a)-pesquisador. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

VEIGA, I. P. A. Nos laboratórios e oficinas escolares: a demonstração didática. In: _______ (org.). Técnicas de ensino: por que não? 19º edição. Campinas, Papirus, 2008 [1991].




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v2i2.1619

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.