YOUTUBE NA AULA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: UM CAMINHO PARA A COMPETÊNCIA COMUNICATIVA INTERCULTURAL

Aline Santos de Lima

Resumo


Este artigo visa mostrar a competência comunicativa intercultural, nas aulas de língua estrangeira (LE), pois, para entender e produzir enunciados de maneira satisfatória, o falante/ouvinte precisa ter contato com as diversas possibilidades de expressão linguística, nas mais variadas situações comunicativas. Como docentes de LE no Ensino Básico, com alunos de 11 a 17 anos de idade, consideramos conveniente, nas práticas pedagógicas, o uso de materiais que explorem a cultura e a realidade recente dos povos, tornando, com isso, o aprendizado mais significativo para a vida dos estudantes. Trazemos, como exemplo, o vídeo de um youtuber francófono, por considerá-lo um bom documento audiovisual a ser trabalhado nas aulas de Francês Língua Estrangeira, tendo em vista que há nele várias referências socioculturais, relacionadas a situações reais cotidianas. Nossa análise tem como suportes teóricos, os trabalhos de Alkmim (2007), Byram et al. (2002), Calvet (2002), Charaudeau (2008), Fraga (1999) e Gadet (2003).


Palavras-chave


competência comunicativa intercultural; documento audiovisual; ensino de línguas adicionais; aprendizagem significativa; francês como língua estrangeira.

Texto completo:

PDF

Referências


ALKMIM, Tânia. Sociolinguística – parte 1. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana Cristina. Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2007. vol 1, p.21-47.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Brasília: MEC, 2000. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

________. PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC, 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

________. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, 2006. Disponível em (Último acesso em 07/07/2017).

BYRAM, Michael.; GRIBKOVA, Bella; STARKEY, Hugh. Developper la dimension interculturelle de l’enseignement des langues: une introduction pratique à l’usage des enseignants. Strasbourg : Conseil de l’Europe, 2002.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2008.

FRAGA, Valderez Ferreira. Choque cultural como aprendizado profissional e humano. In: Revista de Administração Pública, nº 5, vol 33, Rio de Janeiro, 1999. p. 23 - 42.

GADET, Françoise. Français populaire: un classificateur déclassan?. In : Marges Linguistiques: Langage – Communication – Représentations. Nº 6. Saint-Chamas, France: M.L.M.S. Éditeur, 2003, p. 103-113.

KRÉMER, Pascale. Les youtubers, plus forts que les rockstars. In: Le Monde - Pixels, chroniques des (r)évolutions numériques. Publicado em 08/11/2015. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2016.

SANTINO, Renato. O YouTube está cada vez mais próximo de se tornar a nova TV. In: UOL - Olhar Digital. Publicado em 06/05/2016. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v3i2.2071

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.