PARADIGMAS DE ESTUDO DE LÍNGUA E ENSINO DE VERBO

Sheila Fabiana de Pontes Casado, Edmilson Luiz Rafael

Resumo


Neste artigo apresentamos resultados parciais de uma pesquisa sobre ensino da categoria gramatical verbo no Ensino Fundamental I. Focamos, para esse trabalho, a expectativa criada para os anos iniciais do Ensino Fundamental quanto a um ensino de língua que promova o conhecimento linguístico dos alunos centrado nos usos que se materializam em textos e estes em gêneros textuais, conforme as orientações contemporâneas. A questão de investigação foi: sob que perspectiva paradigmática o ensino da categoria linguístico-gramatical verbo se apresenta na prática escolar de duas professoras do Ensino Fundamental (Anos Iniciais – 5º Ano) de uma escola pública do Estado da Paraíba? Para responder a essa questão, utilizamos dados provenientes de registro de anotações de campo, aulas e de entrevistas com as professoras, em atuação no quinto ano do Ensino Fundamental no ano de 2018. A análise, fundamentada nos paradigmas dos estudos linguísticos e suas contribuições para o tratamento da categoria verbo, comprovou uma tendência para uma orientação didática centrada no paradigma dos usos linguísticos limitada por condições específicas da prática escolar.

Palavras-chave


Ensino de verbo; Paradigmas de Ensino; Ensino Fundamental I.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, J. M. A Linguística Textual: introdução à análise dos discursos. São Paulo: Cortez Editora, 2008.

AZEREDO, J. C. de Gramática Houaiss da língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2008.

BAGNO, M. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo, Parábola Editorial, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Martins Fontes, 2.ed. São Paulo, 1997.

BORGES NETO, J. Ensaios de filologia da linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília, 1997.

______. Base Nacional Comum Curricular. Acessado em: 05 de julho de 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf.

BRONCKART, J. P. Atividades de linguagens, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 1999.

CAMACHO, R. G. Da Linguística formal à Linguística social. São Paulo: Parábola, 2013.

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010, p. 41-107.

COSTA VAL, M. G. A gramática do texto, no texto. Revista de Estudos da linguagem. Faculdade de Letras da UFMG, vol. 10, n2, p. 107-133, jul./dec. 2002. Acessado em: 10 de abril de 2018. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/2339/2288.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

NEVES, M. H. M. Texto e Gramática. São Paulo: Contexto, 2011.

_________. A gramática: história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

PIETRI, E. de. Os estudos da linguagem e o ensino de Língua Portuguesa no Brasil. In: SIGNORINI, I., FIAD, R. (orgs.) Ensino de Língua: das reformas, das inquietações e dos desafios. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012, p. 18-37.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SCHNEUWLY, B., DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

VIEIRA, F. E. Gramatização brasileira contemporânea do português: novos paradigmas? In: FARACO, C. A., VIEIRA, F. E. (orgs.) Gramáticas brasileiras: coma palavra, os leitores. São Paulo: Parábola, 2016, p. 19-70.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática ensino plural. São Paulo: Cortez, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v3i2.2078

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.