APLICATIVOS PARA O ENSINO DE ANATOMIA HUMANA: UMA DISCUSSÃO SOBRE A SELEÇÃO DESTES RECURSOS

Marcelle de Oliveira Manhães, Silvia Cristina Freitas Batista, Valéria de Souza Marcelino

Resumo


A popularização dos dispositivos móveis, em especial os smartphones, viabiliza o desenvolvimento de práticas pedagógicas com apoio de aplicativos, no espaço escolar, a partir dos equipamentos dos próprios alunos. Em particular, nas aulas de Anatomia Humana, os aplicativos podem proporcionar visualizações que oferecem muito mais detalhes do que imagens estáticas. No entanto, como qualquer recurso didático, a escolha de aplicativos requer senso crítico do professor, tendo em vista os propósitos pretendidos. Nesse contexto, este artigo tem por objetivo discutir aspectos relacionados à seleção de aplicativos para o estudo de Anatomia Humana. Os dados que fundamentam essa discussão foram levantados por meio de uma pesquisa empírica e de uma Revisão Sistematizada da Literatura (RSL). A pesquisa empírica requereu, inicialmente, levantamento e seleção de aplicativos que pudessem apoiar situações pedagógicas sobre Anatomia Humana, no Ensino Médio. Foram selecionados cinco aplicativos, considerando critérios, tais como gratuidade e uso sem Internet. Uma avaliação desses aplicativos foi promovida por licenciandos em Biologia de uma Instituição Federal de Educação. A RSL foi realizada em trabalhos acadêmicos nacionais relacionados à seleção e/ou a avaliação de aplicativos para o estudo de Anatomia Humana. A pesquisa empírica permitiu identificar bons recursos para o estudo de Anatomia Humana, mas também verificar que é preciso atenção a critérios. A RSL mostrou que os trabalhos analisados defendem o uso de aplicativos para o estudo de Anatomia Humana, porém destacam que essa utilização por si só não soluciona problemas, pois as contribuições para aprendizagem dependem de planejamento e dos objetivos propostos.

Palavras-chave


Seleção de aplicativos. Anatomia Humana. Ensino de Biologia.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERências

ALMEIDA, C. M. M.; LOPES, L. A.; LOPES, P. T. C. Sequências didáticas eletrônicas no ensino do corpo humano: comparando o rendimento do ensino tradicional com o ensino utilizando ferramentas tecnológicas. Acta Scientiae, v. 17, n. 2, p. 466-482, maio/ago., 2015.

ANDRADE, M. V. M.; ARAÚJO JR, C. F.; SILVEIRA, I. F. Estabelecimento de critérios de qualidade para aplicativos educacionais no contexto dos dispositivos móveis (M-Learning). EAD EM FOCO, v. 7, n. 2, p.178-193, 2017.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BATISTA, A. V. Desenvolvimento de uma aplicação web3d para o ensino da anatomia do sistema esquelético. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Tecnologias da Informação e Comunicação) – Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Araranguá – SC, 2017.

BATISTA, S. C. F.; BEHAR, P. A.; PASSERINO, L. Recursos pedagógicos para dispositivos móveis: uma análise com foco na matemática. Revista Novas Tecnologias na Educação (RENOTE), v. 8, n. 3, p. 1-10, 2010.

CHRISTENSEN, R.; KNEZEK, G. Reprint of Readiness for integrating mobile learning in the classroom: Challenges, preferences, and possibilities. Computers in Human Behavior, v. 78, p. 379-388, 2018.

EDUCAUSE. 7 things you should know about Mobile Apps for Learning. 2010. Disponível em: https://library.educause.edu/~/media/files/library/2010/5/eli7060-pdf.pdf. Acesso em: 24 abr. 2018.

FONSECA, A. G. M. F. A ascensão dos dispositivos móveis e seus usos no ensino-aprendizagem. Brazilian Journal of Technology, Communication, and Cognitve Science (TECOG), v. 2, p. 1-14, 2014.

GRANT, M.; BOOTH, A. A typology of reviews: na analysis of 14 review types and associated methodologies. Revista Health Information & Libraries, v. 26, n. 2, p. 91-108, 2009.

LIMA, L. V. Aprendizagem móvel e ensino de ciências: Um suporte para professores de ciências e biologia. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino das Ciências) – Universidade do Grande Rio, Duque de Caxias – RJ, 2017.

MÜLBERT, A. L.; PEREIRA, A. T. C. Um panorama da pesquisa sobre aprendizagem móvel (m-learning). In: SIMPÓSIO ABCIBER, 5., 2011, Florianópolis. Anais […]. Florianópolis: UFSC/UDESC, 2011.

NICHELE, A. G.; CANTO, L. Z. Ensino de Química com Smartphones e Tablets. Revista Novas Tecnologias na Educação (RENOTE), v. 14, n. 1, 2016.

OLIVEIRA, A. R. F. Proposta de checklist para avaliação de apps de saúde para a educação. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro- Unirio, Rio de Janeiro – RJ, 2017.

SANTOS, R. P.; FREITAS, S. R. S. Tecnologias digitais na educação: experiência do uso de aplicativos de celular no ensino da biologia. Cadernos de Educação, v. 16, n. 32, p. 135- 150, jan./jun. 2017.

SILVA, A.; VALERIO, M.; ALBUQUERQUE, P.; CAMPOS FILHO, A. Anatomia Digital: Um ambiente virtual de apoio ao processo ensino-aprendizagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 6., 2017, Recife. Anais [...]. Recife, PE, 2017. p. 745-755.

SILVA, M. G. Metodologia para avaliação de aplicativos educacionais de matemática para o ensino médio. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Análise e Gestão de Sistemas de Informática) – Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia Fluminense, Campos dos Goytacazes - RJ, 2015.

WEISSHEIMER, C. R. Realidade virtual no auxílio da aprendizagem da estrutura óssea. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Engenharia da Computação) -Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado - RS, 2017




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v4i3.2422

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.