GÊNERO NA ESCOLA: uma realidade a ser problematizada

Luciene Araújo, Márcia Rejane Ferreira da Silva

Resumo


Problematizar gênero na escola configura-se como uma discussão que desnuda a desconstrução de rótulos e estigmas relacionados à sexualidade. Posto isto, enfocamos as relações vividas no ambiente escolar e o papel da escola na (re)produção destes rótulos. Investigamos, a partir da observação sistemática em uma escola de ensino fundamental da cidade de Mossoró-RN, situações do cotidiano escolar, bem como relatos de algumas(ns) estudantes da referida escola, a fim de apreender as expressões de desigualdade de gênero naturalizadas desde a infância. Concluímos, então, afirmando que o gênero não se remete tão somente a sexualidade, mas também ao reconhecimento que ambos os sexos são iguais na garantia dos direitos, no reconhecimento e respeito a identidade de gênero do outro.

Palavras-chave


Educação; Gênero; Neoconservadorismo

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, J. P. As interfaces das relações patriarcais de gênero nas famílias homoafetivas. In: QUEIROZ, F. RUSSO, G. & GURGEL, T. (Org’s). Políticas Sociais, Serviço Social e Gênero: múltiplos saberes. Mossoró-RN: Edições UERN, 2012. PP. 167 -183.

ANDERSON, P. Linhagens do Estado absolutista. Tradução: João Roberto Martins Filho. 3ª ed. 2ª reimp. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BARROCO, M. L. Não passarão! Ofensiva neoconservadora e Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, nº. 124, pp. 623-636, out./dez. São Paulo, 2015.

BRASIL. Código de Ética do/a Assistente Social. Lei 8. 662/1993 de regulamentação da profissão. 10º ed. rev. e atual. [Brasília]: Conselho Federal de Serviço Social, [2012].

_______. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília, 2006.

_______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. 13ª ed. São Paulo: Ática, 2008.

CFESS. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Queremos Estado laico já! CFESS Manifesta Edição especial: em defesa do estado laico! Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso: 15 Set. 2016.

CISNE, M. FREIRE, D. J. F. Educação pública e heterossexismo: uma análise de expressões ideológicas do patriarcado no ensino fundamental. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS (JOINPP): para além da crise global: experiências e antecipações concretas, nº 7, 2015, São Luís - Ma. Anais eletrônicos... São Luís: EDUFMA, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 Set. 2016.

CISNE, M. Gênero, divisão sexual do trabalho e Serviço Social. São Paulo: outras expressões, 2012a.

_______. Gênero e patriarcado: uma relação necessária para o feminismo. In: QUEIROZ, F. RUSSO, G. & GURGEL, T. (Org’s). Políticas Sociais, Serviço Social e Gênero: múltiplos saberes. Mossoró-RN: Edições UERN, 2012b, p. 147-165.

CISNE, M. BRETTAS, T. Que homens e mulheres educamos? In: SANTOS, J. M. C. T; MARINHO, Z. (Org’s). Educação, Saberes e práticas no oeste potiguar. Fortaleza: Edições UFC, 2009, p. 61-77.

CONAE. CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Documento Final. Disponível em: . Acesso em: 24 Out. 2016.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Brasília, 2016.

DISNEY. A Pequena Sereia. Canção: pobres corações infelizes. Estados Unidos, 1989. Disponível em: < http//:www.letras.mus.br/disney/393837/>. Acesso em: 05 Maio 2017.

_______. Mulan. Canção: Alguém pra quem voltar. _______, 1998. Disponível em: . Acesso em 05 Maio 2017.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

FURLANI, J. Educação sexual: possibilidades didáticas. In: LOURO, G. L. FELIPE, J. GOELLNER S. V. (Org’s). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2013, p. 67-82.

MARX, K. ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. Edição eletrônica: ed. Ridendo Castigat Mores, 1848. Disponível em: . Acesso em 22 Out. 2016.

NASCIMENTO, A. C. A Influência da Ideologia Patriarcal nas Definições dos Brinquedos Infantis. 2014. Monografia (Bacharelado em Serviço Social). Faculdade de Serviço Social, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró-RN: 2014.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

OLIVEIRA, W. S. A imagem da mulher nos livros didáticos e relações de gênero. Revista Fórum Identidades. Ano V, v. 09, n. 09, jan./jun. 2011, pp: 139-149. Disponível: . Acesso em 24 Abr. 2017.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v4i3.2500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.