Práticas de ensino de Forragicultura: um relato de experiência

Anna Carolina Cerato Confortin

Resumo


O presente artigo tem como objetivo desenvolver um relato de experiência de práticas de ensino na área de Forragicultura. Estas práticas foram desenvolvidas com o intuito de facilitar o processo de ensino-aprendizagem de alguns conteúdos programáticos por meio de metodologias ativas de ensino. As atividades foram desenvolvidas com alunos do Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio e do Curso de Bacharelado em Zootecnia do Instituto Federal Farroupilha nas disciplinas de Forragicultura e Forragicultura I, respectivamente. Os alunos do ensino médio trabalharam em grupos para produzir e apresentar materiais concretos ou outros materiais didáticos, tais como vídeos e folhetos, para elucidar Terminologias em Forragicultura. Já os estudantes do ensino superior produziram vídeos valorizando a Forragicultura como área de estudo e atuação do Zootecnista. As etapas seguidas para a realização da atividade foram a formação de grupos, pesquisa bibliográfica, elaboração dos materiais propriamente dita e apresentação dos trabalhos para a turma. Observou-se ao longo do processo que os estudantes demostraram entusiasmo e motivação no desenvolvimento do trabalho proposto. As práticas de ensino realizadas permitiram ainda o exercício e aprimoramento de habilidades importantes como o trabalho em equipe, a curiosidade científica, a organização e a criticidade.


Palavras-chave


material concreto; metodologias ativas; práticas de ensino; Zootecnia

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, Vivien Gore et al. An international terminology for grazing lands and grazing animals. Grass & Forage Science, v. 66, p. 2–28. Mar. 2011. Disponível em . Acesso em: 18 fev. 2020.

COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 2011. 2ª impressão da 43ª edição.

GIMENO SACRISTÁN, José. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. 352 p. ISBN 9788573073768.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: < https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/estabelecimentos.html>. Acesso em: 20 out. 2020.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, dez. 2008. Disponível em . Acesso em: 26 set. 2020.

PACHECO, Eliezer (Org.). Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. São Paulo: Moderna, 2011.

REIS, Ricardo Andrade et al. Forragicultura: Ciência, Tecnologia e Gestão dos Recursos Forrageiros. 1. ed. Jaboticabal: FUNEP/UNESP, 2014. 714 p. ISBN 9788588805408.

VALADARES, Jorge. A teoria da aprendizagem significativa como teoria construtivista. Aprendizagem Significativa em Revista, v. 1, n.1, p. 36-57, 2011. Disponível em . Acesso em: 20 out. 2020.

ZANINE, Anderson Moura et al. Principias terminologías utilizadas em forragicultura e pastagem. Revista Electrónica de Veterinaria REDVET ®, ISSN 1695-7504, v. 7, n. 3. Mar. 2006. Disponível em . Acesso em: 18 fev. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v6i3.2902

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.