METODOLOGIAS ATIVAS E TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Lianza Rossella Caldeira de Lima Lemes, Luis Augusto da Silva Domingues

Resumo


O avanço tecnológico tem mudado o modo como nos relacionamos, como nos comunicamos e seus efeitos tem influenciado também o modo que aprendemos. Os profissionais da educação estão sendo cada vez mais cobrados por aulas mais dinâmicas, mais atrativas e contemporâneas. O método tradicional de ensino, por transmissão de conteúdo, em que o professor é o único detentor do conhecimento, já não faz mais sentido na sociedade conectada em que vivemos. Diante deste contexto, o objetivo do presente artigo é analisar como as metodologias ativas aliadas às tecnologias digitais podem contribuir para a formação de um cidadão crítico, reflexivo, autônomo e protagonista na construção do seu conhecimento. O artigo aborda três metodologias ativas que podem ser trabalhadas com as contribuições das tecnologias digitais na educação, mais especificamente no Ensino Médio Integrado à Educação Profissional, a saber: Sala de Aula Invertida, Gamificação e Aprendizagem Baseada em Projetos. Esse estudo revela que faz-se necessário adotar métodos e técnicas que envolvam o discente na construção do seu conhecimento, contribuindo assim para a sua formação pessoal e profissional.


Palavras-chave


Metodologias ativas; Tecnologias digitais; Educação profissional e tecnológica; Ensino médio

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Paulo; MORAIS Carlos; MIRANDA Luísa. Aprendizagem baseada em projetos num curso de técnico superior profissional de desenvolvimento de software. Revista Espaço Pedagógico, v. 26, n. 2, p. 432 - 455, 2019.

ALVES, Lynn Rosalina Gama; MINHO Marcelle Rose da Silva; DINIZ, Marcelo Vera Cruz. Gamificação: diálogos com a educação. In: FADEL, Luciane Maria et al. Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, Seção 3, p. 74-97, 2014.

ARAÚJO, Mayra de Castro Miranda. Competências do professor para o trabalho com a metodologia de projetos de forma eficaz. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, 2009.

BARBOSA, Eduardo Fernandes; MOURA, Dácio Guimarães de. Metodologias Ativas de Aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. Boletim Técnico do SENAI, Rio de Janeiro, v. 39, n.2, p.48-67, maio/ago. 2013. Disponível em: http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/349/333. Acesso em: 22 ago. 2020.

BENDER, W. N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Tradução: Fernando de Siqueira Rodrigues; revisão técnica: Maria da Graça Souza Horn. Porto Alegre: Penso, 2014.

BERGMANN, Jonathan; SAMS Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. 1. ed. – [Reimpr.], Rio de Janeiro: LCT, 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 25 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educacão, 2018a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ . Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 2018b. Disponível em: http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/dcnem.pdf. Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação.Governo Federal.Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada ao Ensino Médio. Documento Base. Brasília: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/documento_base.pdf. Acesso em: 9 nov. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª ed - Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIRAFFA, Lucia M. M. Jornada nas Escol@s: A nova geração de professores e alunos. Revista Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, vol. 1, n.1, p. 100-118, 2013.

KOSLOSKI, Ricardo Ajax Dias et al., Aprendizagem baseada em projetos aplicada em uma disciplina de integração de Engenharias: desafios e benefícios, VIII Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Anais do XXX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 2019, p. 89-98.

LEITE, Bruno Silva. Aprendizagem tecnológica ativa. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas-SP, v. 4, n. 3, p. 580-609, 2018.

MELO, Tiago Oliveira et al. O olhar docente acerca dos alunos que trabalham inseridos nas metodologias ativas de aprendizagem. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v.16, n.3, p.134-138, 2014.

MORAN, José Manuel. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian; MORAN, José. (orgs.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p. 1-25.

MORAN, José Manuel. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Coleção Mídias Contemporâneas. 2015. p. 15-33. Disponível em http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf. Acesso em 29 jun. 2020.

MORAN, José Manuel. A contribuição das tecnologias para uma educação inovadora. Revista Contrapontos, volume 4, nº 2, p. 347-356, Itajaí, maio/ago, 2004.

MOREIRA, Marco Antonio. O que é afinal aprendizagem significativa?, 2012. Disponível em: http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf. Acesso em: 15 fev. 2020.

OLIVEIRA, Julio Lucas de. Ensinar e aprender com as tecnologias digitais em rede: possibilidades, desafios e tensões. Revista Docência e Cibercultura, v.2, n. 2, p. 161-184, 2018.

OLIVEIRA, Neide Aparecida Arruda de; MATTAR João. Folhetim Lorenianas: aprendizagem baseada em projetos, pesquisa e inovação responsáveis na educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.16, n.2, p. 341 – 363 abr./jun.2018.

OLIVEIRA, Tobias Espinosa; ARAUJO, Ives Solano; VEIT Eliane Angela. Sala de aula invertida (Flipped Classroom): inovando as aulas de física. Física na Escola, v. 14, n. 2, 2016.

RAMOS, Marise Nogueira. O Projeto Unitário de Ensino Médio sob os princípios do Trabalho, da Ciência e da Cultura. 2003. Disponível em: https://servicos.educacao.rs.gov.br/pse/binary/down_sem/DownloadServlet?arquivo=textos/Texto-ensino-medio-livro.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

ROCHA, Paul Symon Ribeiro; SOUZA, Cintia Soares Januário de. Influência da Gamificação no Processo de Ensino-Aprendizagem em uma Turma do 9º ano do Ensino Fundamental. In: Anais Escola Regional de Computação Ceará, Maranhão, Piauí (ERCEMAPI), 2019, São Luís. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019. p. 103-110. Disponível em: https://sol.sbc.org.br/index.php/ercemapi/article/view/8851. Acesso em: 07 set. 2020.

SCHMITZ, Elieser Xisto da Silva. Sala de aula invertida: uma abordagem para combinar metodologias ativas e engajar alunos no processo de ensino-aprendizagem. 2016. 185 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Educacionais em Rede) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.

SOUSA, Jeorge Mikael Ripardo et al.. Gamificação como metodologia ativa no ensino de biologia. Anais VI JOIN / Brasil - Portugal. Campina Grande: Realize Editora, 2019.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v7i2.3096

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.