A expansão da sala de aula presencial para a virtual: aprendizagem de língua inglesa com foco em comunidades

Helen de Oliveira Faria

Resumo


Este trabalho visa apresentar e discutir uma proposta de ensino híbrido de língua inglesa que considera a interconexão de práticas sociais e educacionais em comunidades de aprendizagem complementares: a presencial e a virtual. A proposta tem como principal premissa o aluno como protagonista de sua aprendizagem, a concepção da aprendizagem como um fenômeno descentralizado – que ocorre em diversos espaços sociais – e a importância de o professor abrir espaço para que os alunos tragam para a sala de aula conteúdos, atividades e ferramentas que façam parte de sua vivência, a fim de que eles se influenciem e interrelacionem com aqueles advindos da escola. A fundamentação teórica compreende o conceito de comunidade (KILPATRICK et al., 2003), a abordagem ecológica (VAN LIER, 2004), que abarca o conceito de affordance (GIBSON, 1986) e a teoria da complexidade (LARSEN-FREEMAN; CAMERON, 2008). Como resultado, verificou-se que os aprendizes desenvolveram sua proficiência na língua inglesa, puderam estreitar laços com colegas e familiares e tiveram autonomia para escolherem os assuntos a serem abordados nas atividades desenvolvidas.  


Palavras-chave


Comunidades de aprendizagem; Língua inglesa; Tecnologias digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


DENZIN, Norman Kent; LINCOLN, Yvonna Sessions. The Sage handbook of qualitative research. Londres: Sage Publications, 2005.

FARIA, Helen de Oliveira. A integração de práticas educacionais e sociais na sala de aula de língua inglesa via gêneros digitais orais. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Universidade Federal de Minas Gerais, 2016. Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 2016. 204 p.

GIBSON, James Jerome. The ecological approach to visual perception. Hillsdale: Erlbaum, 1986.

KILPATRICK, Sue.; BARRETT, Margaret; JONES, Tammy. Defining learning communities. Tas¬mânia: Universidade da Tasmânia, 2003. Disponível em: https://www.aare.edu.au/data/publications/2003/jon03441.pdf. Acesso em: 25 mar. 2021.

LARSEN-FREEMAN, Diane; CAMERON, Lynne. Complex systems and applied linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2008.

USHIODA, Ema. Motivating Learners to speak as themselves. In: MURRAY, Garold.; GAO, Xuesong.; LAMB, Terry. (ed.). Identity, motivation and autonomy in language learning. Bristol: Multilingual Matters, 2011. p. 11-24.

VAN LIER, Leo. An Ecological-semiotic perspective on language and linguistics. In: KRAMSCH, Claire. (ed.). Language acquisition and language socialization: ecological perspectives. London: Continuum, 2004. p. 140-164.

YOUNG, Michael; GUAN, Yi.; TOMAN, John.; DEPALMA, Andy.; ZNAMENSKAIA, Elena. Agent as Detector: an ecological psychology perspective on learning by perceiving-acting systems. In: FISHMAN, Barry; O'CONNOR-DIVELBISS, Samuel. (Eds.). Fourth International Conference of the Learning Sciences. Mahwah, NJ: Erlbaum, 2000. p. 299-300.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v6i2.3261

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.