PEDAGOGOS E TAES NO COLÉGIO PEDRO II - Apontamentos históricos e identitários

Alessandra Pio

Resumo


O texto busca relacionar o processo de formação da identidade profissional dos pedagogos no Brasil, a história do curso de pedagogia, a legislação educacional do país e do Colégio Pedro II – instituição escolar considerada de excelência cuja história, de importância nacional, pouco trata das relações profissionais fora da sala de aula. A proposta tem por objetivo subsidiar as discussões sobre identidade profissional que leve em conta não só o sujeito, mas seu grupo de pertença. Para isso, utilizamos Dubar (2005) e Silva (2006), tomando a perspectiva sociológica do primeiro, em relação com a história do curso de pedagogia, elaborada pela segunda. Também foram úteis os editais de seleção para ingresso na instituição desde 1946 até 2015; produções acadêmicas sobre o tema e manifestações acerca do currículo de pedagogia. Consideramos que a identidade do pedagogo e do técnico em assuntos educacionais (TAE) estão imbricadas na instituição, que ainda oscila no que demandar de ambos. E, ainda que estes profissionais tenham formação em diversas licenciaturas, muitas vezes recai a expectativa de que atuem como especialistas em pedagogia.


Palavras-chave


Colégio Pedro II; Identidade profissional; Pedagogia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 251/62. Currículo mínimo e duração do curso de Pedagogia. Relator: Valnir Chagas.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 252, de 11 de abril de 1969. Estudos pedagógicos superiores. Mínimos de conteúdo e duração para o curso de graduação em Pedagogia. Relator: Valnir Chagas.

BRASIL. Decreto nº 21.076, de 24 de fevereiro de 1932. Regula em todo o país o alistamento eleitoral e as eleições federais, estaduais e municipais.

BRASIL. Decreto nº 1.190, de 4 de abril de 1939. Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia.

BRASIL. Decreto-Lei nº 8.893, de 24 de janeiro de 1946. Equipara aos professores catedráticos do Colégio Pedro II, para efeito de vencimentos e vantagens, os cargos de Orientador Educacional.

BRASIL. Decreto nº 8.558, de 4 de janeiro de 1946. Cria cargos isolados de provimento efetivo no Quadro Permanente do Ministério da Educação e Saúde e dá outras providências.

BRASIL. Decreto nº 34.742, de 2 de dezembro de 1953. Aprova o Regimento Interno do Colégio Pedro II.

BRASIL. Decreto nº 39.037, de 18 de abril de 1956. Dá nova disposição ao dispositivo que indica.

BRASIL. Ministério da Educação [MEC]. COLÉGIO PEDRO II. Secretaria de Ensino. Plano Geral de Ensino: 1996. Ensino Fundamental – 2º Segmento. Rio de Janeiro: CPII, 1996.

BRASIL. MEC. COLÉGIO PEDRO II. Seção Técnica de Ensino e Avaliação/STEA. Nova Proposta de Atuação – 1990/2000. Rio de Janeiro: CPII, 1990. [mimeo.]

BRASIL. MEC. COLÉGIO PEDRO II. Edital nº3, de 2 de março de 2004. Torna pública a abertura das inscrições e estabelece as normas para o concurso público de provas destinado ao provimento de 52 (cinquenta e duas) vagas da carreira Técnico-Administrativo.

BRASIL. MEC. COLÉGIO PEDRO II. Setor de Supervisão e Orientação Pedagógica/SESOP. Proposta de Formação Continuada. Rio de Janeiro: CPII, 2005, [mimeo].

BRASIL. MEC. COLÉGIO PEDRO II. Edital nº14, de 13 de setembro de 2007. Torna pública a abertura das inscrições e estabelece as normas para o Concurso Público de Provas, destinado ao provimento de 40 vagas de cargos da carreira de Técnico-Administrativo.

BRASIL. MEC. COLÉGIO PEDRO II. Edital nº6, de 12 de abril de 2010. Torna público que estarão abertas as inscrições para concurso público de provas destinado ao provimento de 20 (vinte) cargos efetivos de Técnico-Administrativos em Educação.

BRASIL. Regulamento nº 8, de 31 de janeiro de 1838. Contém os Estatutos para o Collegio de Pedro Segundo.

BRAÚNA, Rita de Cássia de Alcântara. A construção de identidades profissionais de estudantes de pedagogia. In: 32ª Reunião Anual - ANPED - Caxambu/MG, 2009. Disponível em: Acesso em: 20/01/2010.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FRANCO, Maria Amélia Santoro; LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Elementos para a Formulação de Diretrizes Curriculares para Cursos de Pedagogia. Cadernos de Pesquisa, v. 37, nº 130, p. 63-97, jan/abr. 2007.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade, 1999, vol.20, n.68, pp. 17-43. Disponível em: . Acesso em: 02/03/2007.

LIBÂNEO, José Carlos. Diretrizes Curriculares da Pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educação & Sociedade. Campinas, v.27, nº96. Especial, p. 843-876, Out/2006. Disponível em: . Acesso em: 02/03/2007.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 10 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Formação de Profissionais da Educação: visão crítica e perspectiva de mudança. Educação & Sociedade, ano XX, nº 68. p. 239-277, dez. 1999. Disponível em: [http://migre.me/826Jn]. Acesso em: 02/03/2007.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

SAVIANI, Dermeval. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação)

SILVA, Carmem Silvia Bissolli da. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. 3.ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2006. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.