Musicoterapia em uma Instituição de Longa Permanência do Idoso (ILPI): uma estratégia para lidar com os riscos da institucionalização

Anna Clara Teixeira Coelho

Resumo


Este trabalho apresenta uma reflexão acerca dos riscos oferecidos pela institucionalização de idosos, tais como a falta de autonomia e de autoestima e a perda da identidade. Discutimos a importância da musicoterapia como uma ferramenta que pode ajudar a mitigar esses riscos. Com referenciais teórico-metodológicos advindos da musicoterapia e das ciências sociais, procuramos mostrar um pouco da realidade de uma Instituição de Longa Permanência de Idosos (ILPI) filantrópica e do trabalho musicoterapêutico ali realizado.

Palavras-chave


Musicoterapia. Idosos. Instituição de longa permanência do idoso. Autonomia. Institucionalização

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, Diane. Canções do self: canto improvisado em musicoterapia analítica – Junguiana. In: BARCELLOS, Lia Rejane Mendes. Musicoterapia: transferência, contratransferência e resistência. Rio de Janeiro: Enelivros, 1999.

BENENZON, Rolando O. Manual de Musicoterapia. Tradução de Clementina Nastari. Rio de Janeiro: Enelivros, 1985.

BORN, T.; BOECHAT, N. S. A qualidade dos cuidados ao idoso institucionalizado. In: FREITAS, E. V. et al. (Org.). Tratado de geriatria e gerontologia. 3ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 1820-1835.

BRASIL, Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

CAMARANO, Ana Amélia; BARBOSA, Pamela. Instituições de Longa Permanência para Idosos no Brasil: do que se está falando? In: ALCÂNTARA, Alexandre de Oliveira; CAMARANO, Ana Amélia; GIACOMIN, Karla Cristina (Org.). Política Nacional do Idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro, 2016: IPEA. p. 479-514.

GIACOMIN, Karla Cristina; COUTO, Eduardo Camargos. A fiscalização das ILPIs: o papel dos conselhos, do Ministério Público e da Vigilância Sanitária. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010. p. 213-248.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. Tradução de Dante Moreira. Leite. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 1974.

GRAEFF, Lucas. Instituições totais e a questão asilar: uma abordagem compreensiva Estudos interdisciplinares do envelhecimento. Porto Alegre, v. 11, p. 9-27, 2007.

NERI, Anita Liberalesso. Palavras-chave em gerontologia. Campinas, SP: Editora Alínea, 2001.

SILVA, Mônica Izidoro. O Princípio de Iso como Fator de Reconhecimento da Identidade Pessoal no Processo Musicoterápico. Monografia de conclusão de curso de Graduação em Musicoterapia. Conservatório Brasileiro de Música. Rio de Janeiro, 1998.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA. Manual de Funcionamento para Instituição de Longa Permanência para Idosos. São Paulo, 2003.

SOUZA, M. G. C. Musicoterapia e a Clínica do Envelhecimento. In: FREITAS, E. V. et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

XIMENES, Maria Amélia; CÔRTE, Beltrina. A instituição asilar e seus fazeres cotidianos: um estudo de caso. Estudos interdisciplinares do envelhecimento. Porto Alegre, v. 11, p. 29-52, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


      ISSN 2594-407X

 

                                       URL: https://cp2.g12.br/ojs/index.php/interludio

                                           email: interludiorevista@hotmail.com

 

                                     Publicação do Departamento de Educação Musical (DEM)

                                                         em parceria com 

                       Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura (PROPGPEC)

                                                   Pró-Reitoria de Ensino (PROEN)

                                                         

 Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.