Possibilidades e desafios em música e na formação musical: a proposta de um giro decolonial

Marcus Vinícius Medeiros Pereira

Resumo


O texto aborda as possibilidades e desafios em música e em formação musical propondo um giro decolonial. Tal giro, que também pode ser entendido neste caso específico como um “giro deconservatorial”, propõe a desnaturalização da tradição musical, considerada como seletiva e inventada (institucionalizada) pelos conservatórios de música. Contudo, ao propor uma postura deconservatorial não se está assumindo a música erudita e o conservatório como essencialmente negativos, mas, sim, sua naturalização como o único caminho possível para a formação de músicos profissionais – no âmbito dos cursos técnicos de música e dos bacharelados, bem como de cidadãos – no âmbito da educação básica e das licenciaturas em música.

Palavras-chave


Colonialidade; Habitus Conservatorial; Tradição; Giro Decolonial.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, João do. Arte decolonial. Pra começar a falar do assunto ou: aprendendo a andar pra dançar, 2017. Disponível em: https://iberoamericasocial.com/arte-decolonial-pra-comecar-falar-do-assunto-ou-aprendendo-andar-pra-dancar/. Acesso em: 10 set. 2018.

APPLE, Michael. A política do conhecimento oficial: faz sentido a idéia de um currículo nacional? IN: MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da (orgs). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez Editora, 1996, pp. 59 – 91.

ARAÚJO, Samuel. O campo da etnomusicologia brasileira: formação, diálogos e comprometimento político. In: LÜHNING, Angela; TUGNY, Rosângela Pereira de (Orgs.). Etnomusicologia no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2016, p. 7 – 18.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas. São Paulo : Papirus, 1996.

DELGADO, Carolina Santamaría. El bambuco, los saberes mestizos y la academia: Un análisis histórico de la persistencia de la colonialidad en los estudios musicales latinoamericanos. Latin American Music Review / Revista de Música Latinoamericana, Vol. 28, No. 1, pp. 1-23, 2007.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Tradução de Attílio Brunetta; revisão da tradução: Hamilton Francishetti; apresentação de Tomaz Tadeu da Silva. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

HOBSBAWN, Eric. Introdução: A invenção das tradições. IN: HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. São Paulo: Praz e Terra, 2008, p. 9 – 24.

GREEN, Lucy. Music on deaf ears – Musical meaning, ideology and education. Manchester: Manchester University Press, 1988.

LOPES, Alice Ribeiro Casimiro. Conhecimento escolar: processos de seleção cultural e de mediação didática. Educação & Realidade, vol. 22, n. 1, p. 95 – 112, jan/jun. 1997.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167. Disponível em: http://ram-wan.net/restrepo/ decolonial/17-maldonado-colonialidad%20del%20ser.pdf. Acesso em: 08 set. 2018.

MALDONADO-TORRES, Nelson. La descolonización y el giro des-colonial. Tabula Rasa., n.9, pp. 61-72, Bogotá, 2008.

PIMENTEL, Maria Odília de Quadros. Percurso de Inserção Profissional do Músico: compreendendo as inter-relações da educação e formação ao longo da vida de egressos dos cursos técnicos dos Conservatórios Estaduais de Música de Minas Gerais com seu trabalho/emprego. 2018. 122f. Relatório de Qualificação. (Doutorado em Música) – UFPB, João Pessoa, 2018.

PENNA, Maura. Ensino de Música: para além das fronteiras do conservatório. In: PEREGRINO, Yara Rosas (Org.). Da camiseta ao Museu – O ensino das artes na democratização da cultura. João Pessoa, Editora UFPB, 1995.

PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. Ensino Superior e as Licenciaturas em Música: Um retrato do habitus conservatorial. Campo Grande: Editora UFMS, 2013.

PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido. Vol. 5 (A Prisioneira). Rio de Janeiro: Globo, 1995.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. Revista da Abem, Londrina, v.25, n.39, p. 132-159, jul.dez. 2017

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidade/racionalidad. Perú Indígena, v. 13, n . 29, p. 11-20, 1992. Disponível em: http://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em: 09 set. 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTROGÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-126. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20140506032333/eje1-7.pdf. Acesso em: 08 set. 2018.

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. Sobre a história e teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 1, n. 33, p. 7-48, jun. 2001.

SETTON, Maria das Graças Jacintho. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.20, p.60-70, 2002.

TABORDA DE OLIVEIRA, Marcus Aurelio. Pensando a História da Educação com Raymond Williams. Educação & Realidade, Porto Alegre, UFRGS, vol. 39, n. 1, pp. 257 – 276, 2014.

WILLIAMS, Raymond. La Larga Revolución. Buenos Aires: Nueva Vision, 2003.

WILLIAMS, Raymond. Recursos da esperança: Cultura, democracia, socialismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2015.

YOUNG, M. Teoria do currículo: o que é e por que é importante. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 151, p. 190-202, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


      ISSN 2594-407X

 

                                       URL: https://cp2.g12.br/ojs/index.php/interludio

                                           email: interludiorevista@hotmail.com

 

                                     Publicação do Departamento de Educação Musical (DEM)

                                                         em parceria com 

                       Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura (PROPGPEC)

                                                   Pró-Reitoria de Ensino (PROEN)

                                                         

 Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.