“MULHERES DE SANTO”: GÊNERO E LIDERANÇA FEMININA NO CANDOMBLÉ

Jaqueline Sant'Anna Martins dos Santos

Resumo


Entrelaçando gênero e religiosidade, este trabalho se propõe a apresentar uma breve reflexão sobre o papel da mulher e os desafios enfrentados pelas lideranças femininas no candomblé. Vencendo resistências e preconceitos, o protagonismo das mulheres é tido como um elemento característico desta religião de matriz africana profundamente ligada ao culto à natureza e à ancestralidade. Nos terreiros, elas se desdobram em muitas funções, ora provendo sustento e comandando rituais, ora preparando refeições, zelando pelos “iniciados no santo” e acolhendo aqueles que precisam de ajuda espiritual. A despeito do reconhecido pioneirismo e da grande visibilidade das mães de santo na cultura popular brasileira, o machismo e a desigualdade de gênero são frequentemente mencionados em entrevistas e estudos acadêmicos focados nas “mulheres de santo”, tais como os trabalhos de Dani Bastos e Patrícia Birman. Para além da observância de tabus que atingem as mulheres de forma específica e colocam o corpo feminino em evidência, como a menstruação, a existência de uma forte divisão sexual de tarefas executadas nesses espaços de culto, delimitando funções exclusivamente femininas e outras exclusivamente masculinas, acaba por refletir a forma diferenciada e desigual com que homens e mulheres participam da sociedade brasileira e nos permite discutir noções de poder e tradição, elementos muito caros ao campo da religião.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2595-8682