Projeto “Sopa de Letras” reúne alunos e professores em sarau no Humaitá II

Orkestra Demoprática

 

Nesta segunda-feira, 3 de setembro, o Campus Humaitá II recebeu o projeto literário “Sopa de Letras”, que aborda outras linguagens artísticas. Durante o evento, que aconteceu no hall das salas Branca e Rosa, estudantes e professores do campus se expressaram através da música, dança e declamação de poesias.

 

O sarau foi aberto pela idealizadora do projeto, a professora de Português do Campus Tijuca II Dilma Mesquita. Logo após, apresentou-se o grupo de teatro “Fazendo o Quê?”, do Tijuca II, que fez um manifesto em solidariedade ao Museu Nacional, consumido por um incêndio no dia anterior, seguido por uma performance. Depois foi a vez do ex-aluno e estudante de teatro Rômulo Rodrigues, que apresentou uma canção, acompanhado na guitarra pelo estudante do Humaitá II, André Szpilman.

 

Poesia

Dilma foi a primeira a declamar uma poesia. A escolhida foi “Pronominais”, de Oswald de Andrade. Em seguida vieram “Só de sacanagem”, de Elisa Lucinda, que Dilma declamou junto com a professora de Português do Humaitá II Ana Maria Bernardes; “Poemas de finados”, de Manuel Bandeira, recitado por Rômulo Rodrigues; “Elegia”, de Mario Quintana, lido pela professora de Português Juliana Valentim, também do Humaitá II. A aluna Jaqueline Cruz acompanhou Dilma na leitura do poema “Ainda que mal”, de Carlos Drummond de Andrade.

 

Professora Juliana Valentim  aluna Jaqueline Cruz e Dilma Mesquita Professora Juliana Valentim, aluna Jaqueline Cruz e Dilma Mesquita

 

Já a aluna Samanta Kord recitou uma poesia de autoria da colega de turma Beatriz Gadelha, intitulado “O chuveiro já está ligado”, e Pietra Regis, outra estudante do Humaitá II, declamou seu poema “A menina”. Fechando a programação do “Sopa”, o coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) do CPII, Osmar Filho, declamou “Vozes Mulheres” de Conceição Evaristo.

 

Música

Em um sarau não poderia faltar música, que ficou por conta dos grupos “Orkestra Demoprática”, de pop rock, e “Zezinho e outros cajóns”, de jazz, formados por alunos do Humaitá II. A estudante Maria Eduarda Paiva interpretou “Banho de Chuva”, de Vanessa da Mata. O professor de Educação Musical Affonso Miranda dedicou o sarau ao estudante do terceiro turno Lince Assemen, morto no mês passado.

 

Zezinho e outros cajóns Zezinho e outros cajóns

 

O “Sopa” nasceu há 10 anos no Campus Centro e hoje acontece no Tijuca II. Como forma de celebração, Dilma inscreveu o “Sopa” na Chamada de Apoio a Eventos Artísticos e Culturais de 2018 da Direção de Culturas da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura (Propgpec), com a proposta de ser realizado de forma itinerante nos campi do CPII.

 

Nesse novo formato, o primeiro “Sopa” foi uma comemoração de aniversário realizada em 15 de agosto no Campus Tijuca II. “Foi uma homenagem à Arte Pública, congregando apresentações de professores, estudantes e convidados: repentistas, bandas de rock, poetizas, artistas visuais e outros”, ressaltou a diretora de Culturas do CPII, Eloisa Sabóia.

 

As apresentações do Sopa de Letras nos diferentes campi do Colégio Pedro II tem o apoio da Direção de Culturas/PROPGPEC.

 

Setor de Comunicação Social do Campus Humaitá II

Assessoria de Comunicação Social

Acessos Hoje:13738  Total Acessos:4940439