O fenômeno inundação como eixo norteador de práticas educativas: uma experiência com alunos da rede pública em Ururaí, Campos dos Goytacazes (RJ)

Carolina Vieira Caldeira de Lima de Souza Almeida, Adriana Filgueira Leite

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido com alunos da rede pública de ensino no bairro Ururaí situado na cidade de Campos dos Goytacazes, RJ, no período de 2015 – 2018. O objetivo central deste estudo foi trazer uma contribuição para o Ensino de Geografia por meio da proposta de atividades práticas a serem implementadas em sala de aula que tanto fossem condizentes com a realidade escolar pública, quanto levassem em consideração as interações estabelecidas ao longo do processo de aprendizagem, o conhecimento empírico do aluno e a sua vivência. Para que o objetivo em questão fosse alcançado, optou-se por trabalhar um viés socioambiental sobre a perspectiva das inundações, já que esses eventos remetem a realidade dos estudantes. Para tanto, foram selecionados alunos do 1º ano do Ensino Médio de duas escolas públicas do bairro Ururaí, situado na cidade de Campos dos Goytacazes, RJ, ao longo do ano de 2016. O referencial teórico que fundamentou esse estudo foi a literatura pertinente à geografia escolar que engloba temas como: práticas de ensino, currículo, processo de ensino e aprendizagem, competências, temáticas físico-naturais, inundação, vulnerabilidade, entre outros. Diversos procedimentos metodológicos foram utilizados com os alunos como a técnica da investigação-ação, a aplicação de questionários com perguntas abertas e fechadas, a realização de entrevistas, a análise de mapas temáticos de Ururaí, aulas de campo, pesquisa do meio, apresentação de seminário, análise de grupo focal, além de diferentes tipos de jogos. Por fim, os resultados alcançados por esse estudo mostram que as diversas práticas realizadas sob a perspectiva socioconstrutivista, mostraram-se ferramentas eficazes na construção de diferentes competências geográficas, na medida em que propiciaram o desenvolvimento de uma percepção crítica pelo alunado, tanto a respeito do ambiente vivido, quanto no que se refere aos desastres relacionados à agua.


Palavras-chave


Prática de Ensino; Ensino de Geografia Física; Inundação; Ururaí.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Anice Esteves. A Geografia da natureza no ensino de Geografia: propostas para a educação ambiental e preventiva de riscos naturais. Giramundo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p.83-93, jul./dez. 2015,

ACOSTA, Virginia García. El riesgo como construcción social y la construcción social de riesgos. Revista de Ciências Sociais Desacatos, Centro de Investigaciones y Estudios Superiores em Antropología Social, México, n. 19, p. 11-24, set./dec., 2005.

AUSUBEL, David P. Adquisición y retención del conocimiento: Uma perspectiva cognitiva. Barcelona: Paidós, 2002. 281p.

BARROS, Mario Thadeu Leme de. Drenagem urbana: bases conceituais e planejamento. In: PHILIPPI Jr. A. (Org.). Saneamento, saúde e ambiente – fundamentos para um desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora Manole, 2005. 228p.

CASTELLAR, Sonia. A psicologia genética e a aprendizagem no ensino de Geografia. In: CASTELLAR, Sonia (Org.). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. p. 38-50.

CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos (Org.). Ensino de geografia: caminhos e encantos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. 111p.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Ensino de Geografia e diversidade: Construção de conhecimentos geográficos escolares e atribuição de significados pelos sujeitos do processo de ensino. In: CASTELLAR, Sonia (Org.). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. p. 66-78.

_______. A geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de geografia para a vida. 3ª ed. Campinas: Papirus, 2010a. 190p.

_______. Geografia, escola e construção de conhecimentos. 16ª ed. Campinas: Papirus, 2010b. 192p.

COSTELLA, Roselane Zordan; SHÄFFER, Neiva Otero. A Geografia em projetos curriculares: ler o lugar e compreender o mundo. Brasília: Edelbra, 2012. 128p.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1997. 120p.

FALCÃO, Wagner Scopel; PEREIRA, Thiago Barcelos. A aula de campo na formação crítico/cidadã do aluno: uma alternativa para o ensino de geografia. ENCONTRO NACIONAL DE PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA. 10., Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2017.

LEMOS FILHO, Alex José. Mapeamento dos riscos hidrogeomorfológicos do sistema hidrográfico Imbé-Lagoa de Cima-Ururaí-Lagoa Feia. Monografia (Graduação em Geografia)-Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Universidade Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2016.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2013. 281p.

OLIVEIRA, Lívia de. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. In: ALMEIDA, Rosângela Doin de (Org.). Cartografia escolar. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2010. p. 15-41.

RAMOS, Catarina. Programa de hidrogeografia. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos, 2005. 123p.

SEVERINO, Antônio Joaquim; SEVERINO, Estêvão Santos. Ensinar e aprender com pesquisa no Ensino Médio. São Paulo: Cortez, 2012. 142 p.

STEFANELLO, Ana Clarissa. Didática e avaliação da aprendizagem no ensino de geografia. São Paulo: Saraiva, 2009.159p.

ZABALA, Antonio. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v4i7.2178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: