A educação e a atual pandemia: matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem!

Rodrigo Coutinho Andrade, Luana Ferreira Correia

Resumo


Os impactos para a produção do conhecimento escolar nos dias atuais, em virtude do isolamento social provado pela pandemia ocasionada pelo novo coronavírus, não se esmeram como mero epifenômeno, mas desnudam a estruturação das políticas públicas para a educação em tempos pretéritos, acenando para medidas posteriores no seio da agenda neoliberal praticada até então. Isto por combinar as prescrições curriculares, as avaliações externas e a formação-atuação docente nos pressupostos da quantofrenia, recompondo em novo patamar as finalidades formativas da escola instrumental e imediatamente interessada da sociedade de classes. Neste sentido, objetivamos expor analiticamente as transformações recentes em curso acenando para possíveis impactos futuros, não deslocados do cenário socioeconômico e suas vicissitudes para a reprodução das relações sociais de produção em um contexto de ascensão abrupta das novas morfologias do trabalho e do precariado. Trata-se de uma pesquisa básica, de análise qualitativa, de caráter explicativo, que se insere na categoria de pesquisas de tipo bibliográfico-documental, não descartando fatos e análises pretéritas para maior solidez argumentativa.


Palavras-chave


Trabalho Docente; Avaliação Externa; Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Almerindo Janela. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável: Crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, n. 13, p. 13-29, 2009.

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANDRADE, Rodrigo Coutinho; COSTA, Luiz Fellype Xavier. A categoria cidadania na BNCC de Geografia: as finalidades formativas no processo de recomposição burguesa. Revista Tamoios, v. 15, n. 2, 2019.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: estudio sectorial del Banco Mundial. Estados Unidos: Banco Mundial, 1995.

______. Professores excelentes: como melhorar a aprendizagem dos estudantes da América Latina e Caribe. Washington: Banco Mundial, 2014.

BARBOSA FILHO, Fernando de Holanda. A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 51-60, 2017.

BONAMINO, Alicia; SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 2, 2012.

BRAGA, RUY. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº 2, de 1º de julho de 2015. Brasília: MEC, 2015.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: MEC, 2019

______. Conselho Nacional de Educação. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Relatório. Brasília: MEC, 2020.

COLEMARX. Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social:

porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2020.

COUTO, Marcos Antônio Campos. Base Nacional Comum Curricular – BNCC Componente Curricular: Geografia. Revista da ANPEGE, v. 12, n. 19, p. 183-203, 2016.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017.

IBGE. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio 2015-2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2020.

INEP. Censo Escolar da Educação Básica, 2000-2019. Brasília, DF: INEP, 2019. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2020.

______. Censo Escolar. Resumo técnico. Brasília: INEP, 2020.

KUENZER, Acacia Zeneida. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. Capitalismo, trabalho e educação, v. 3, p. 77-96, 2002.

MONTAÑO, Carlos. Novas configurações do público e do privado no contexto capitalista atual: o papel político-ideológico do “Terceiro Setor”. In: ADRIÃO, Teresa; PERONI, Vera (Org.). Público e privado na educação: novos elementos para o debate. São Paulo: Xamã, 2008, p. 23-42.

OCDE. Education at a Glance 2018. Paris: OCDE, 2018.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista, n. 1, p. 17-35, 2010.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. São Paulo: Cortez, 2001.

SAVIANI, Dermeval. Sistema nacional de educação articulado ao plano nacional de educação. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 44, p. 380-392, 2010.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2012.

SOUZA, José dos Santos. O recrudescimento da teoria do capital humano. Cadernos Cemarx, v. 3, n. 1, 2005.

______. A pedagogia política renovada do estado brasileiro para a formação profissional e conformação social de jovens de baixa renda. PLURAIS-Revista Multidisciplinar, v. 4, n. 3, p. 36-53, 2020.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

VENCO, Selma. Uberização do trabalho: um fenômeno de tipo novo entre os docentes de São Paulo, Brasil?. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, n. 27, p. 1-17, 2019.

YOUNG, Michael FD. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 609-623, 2011.

WOOD, Ellen Meiksins. O império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v7i13.2513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: