Ensinar geografia contra a barbárie: manifesto em defesa da ciência e do trabalho docente em tempos de pandemia da Covid-19

Lorena Pereira Lopes Pereira Bonomo

Resumo


A pandemia do novo coronavírus nos convoca a inúmeros raciocínios que exigem pensar pelo espaço. Desde a localização dos fenômenos, mas para muito além dela, apresenta-se para nós uma situação geográfica. Nesse artigo, estamos mobilizados pelas consequências das crises sanitárias, econômicas e sociais que a pandemia evidencia para as reflexões do Ensino de Geografia e para o trabalho docente, compreendendo que, inúmeras delas, já estavam postas anteriormente a esse período. O artigo é comunicado em três seções, seguidas da conclusão. A primeira seção se destina a uma identificação dos ataques ao método científico e às ciências como expressão da barbárie que vivenciamos. Na segunda seção, realizamos um reforço de resgate das contribuições do pensamento historicamente produzido pela geografia para compreender o evento pandêmico. Na terceira seção, o foco é ajustado para as implicações desses tempos para a docência, dialogando com narrativas de professores da Educação Básica, que problematizam a EAD como resposta ao fazer dos professores, tanto no que se refere às práticas pedagógicas quanto às condições laborais, contrariando pressupostos da Educação compreendida como direito humano. 


Palavras-chave


Ensino de Geografia; Pandemia da Covid-19; Trabalho Docente; Defesa da Ciência; Situação Geográfica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Vol. 1. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987.

COUTO, Marcos Antônio Couto. Método dialético na didática da geografia. In CAVANCANTI, L. S.; BUENO, M. A.; SOUZA, V. C. (Org). Produção do conhecimento e pesquisa no ensino da geografia. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2011.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. Geografia fin-de-siècle: o discurso sobre a ordem espacial do mundo e o fim das ilusões. In: CASTRO, I. E.; CORRÊA, R. L.; GOMES, P. C. (Org.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. 4ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. p. 13-42.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 10ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 119, 2012.

MOREIRA. Ruy. Para onde vai o pensamento geográfico?: Por uma epistemologia crítica. 2ª ed., 2ª reimp. São Paulo. Contexto, 2014.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Da geografia às geo-grafias: um mundo em busca de novas territorialidades. In: CECEÑA, Ana Esther y SADER, Emir (Comp.). La Guerra Infinita: Hegemonía y terror mundial. Buenos Aires: CLACSO, 2002. p. 217-256.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo - razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

______. O professor como intelectual na sociedade contemporânea. Ciência Geográfica, Bauru, v. 2, n. 19, p. 4-9, 2001.

SILVEIRA, María Laura. Uma situação geográfica: do método à metodologia. Território, LAGET/UFRJ, v. 4, n. 6, p. 21-28, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v7i13.2535

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: