Terreiro é lugar de aprender: pensando as infâncias nos espaços educativos dos terreiros.

João Victor Gonçalves Ferreira

Resumo


Este trabalho propõe uma reflexão sobre a construção espaço-temporal dos terreiros como espaços educativos, analisados sob a ótica das infâncias que neles se desenvolvem. Os terreiros de Umbanda e Candomblé, ou simplesmente das “macumbas” cariocas são, ainda hoje, espaços marginalizados não só sob a ótica religiosa, mas principalmente pelo caráter de distanciamento e falsa inacessibilidade às crianças. Neste artigo, porém, está proposto um olhar mais profundo sobre a construção desses espaços e, principalmente, das práticas de ensino-aprendizagem que neles se desenvolvem.  Para isso, discutimos e propomos novos olhares sobre educação, as infâncias e o papel que as crianças desempenham nesses espaços-tempos, concebidos e compreendidos a partir da noção de lugar, com toda sua carga de afetividade e subjetividade.


Palavras-chave


Crianças de Terreiro; Infância; Espaço Sagrado; Lugar; Espaços Educativos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Mauricio de Almeida. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1987.

ALMEIDA, Rosângela Doin de; JULIASZ, Paula C. Strina. Espaço e tempo na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2014.

ALVES, Nilda. Cultura e cotidiano escolar. Red Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 62-74, ago. 2003.

______. Sobre o movimento das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: OLIVEIRA, Inês; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP & A, 2008.

CAMPOS, Zuleica; KOURYH, Jussara. Religiões Afro-Brasileiras: perseguições antigas e novas. Revista Teologia e Ciência da Religião Universidade Católica de Pernambuco, Recife, v.5, n. 1, p.161-177, dez. 2015.

CAPUTO, Stela. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

______. “As crianças de terreiros somos nós, as importantes”: Mais algumas questões sobre os estudos com crianças de terreiros. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, n. 48, p. 383-407, 2020.

CARDOSO, Angelo Nonato Natale. A linguagem dos tambores. 246 f. Tese (Doutorado em Etnomusicologia)-Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço e Tempo: Um tributo a Mauricio Abreu. Cidades, São Paulo, v. 8, n. 14, p. 597-607, 2011.

______. Tempo, espaço e geografia: um ensaio. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 1, p. 287-294, jan./jun. 2019.

CORRÊA, Aureanice de Mello. “Não acredito em Deuses que não saibam dançar”: a festa do Candomblé, território encarnador da cultura. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Org.). Geografia cultural: uma antologia. Volume II. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. p. 203-218.

DANTAS, Beatriz Gois. De feiticeiro a comunista: acusações sobre o candomblé. Separata de Dédalo, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, n. 23. 1984. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões: (tradução Rogério Fernandes). 3ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, Viviane; SOUZA, Maria. Identidade negra entre exclusão e liberdade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 63, p. 103-120, 2016.

FERREIRA, Cléa; CARVALHO, Edileia. Educação para as relações étnico-raciais: uma conversa com professores da escola básica. In: CANDAU, Vera (Org.). Didática: Tecendo/reinventando saberes e práticas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018. p. 258-279.

GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudos em geografia da religião. Curitiba: IBPEX, 2012.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não-formal, educador(a) social e projetos sociais de inclusão social. Meta: Avaliação, v. 1, n.1, p. 28-43, jan./abr. 2009.

JAGUN, Marcio. Orí: A cabeça como Divindade. Rio de Janeiro: LITTERIS, 2015.

LOPES, Jader e VASCONCELLOS, Tânia. Geografia da Infância: Territorialidades Infantis. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 1, p. 103-127, jan./jun. 2006.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la decolonialidad del ser: contribuiciones al desarrollo de um concepto. In: CASTRO-GOMEZ, Santiago; CROSFOGUEL, Ramón (Org.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

MASSEY, Doreen. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, Antonio A. (Org.). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. 312 p.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32 n. 94, jun. 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialiad del poder, eurocentrismo y América Latina. In. LANDER, Edgardo (Comp.) La Colonialidade del saber: eurocentrismo y ciencias socialies. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

SARMENTO, Manuel. Gerações e Alteridade: Interrogações a partir da sociologia da infância. Educação & Sociedade, v. 26, n. 91. p. 361-378, maio/ago. 2005.

TOMÁS, Catarina. As culturas da infância na educação de infância: um olhar a partir dos direitos da criança. Interaccções, n. 32, p. 129-144, 2014.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia. São Paulo: Difel. 1980.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e Pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In. CANDAU, Vera Maria Ferrão (Org.). Educação Intercultural na América Latina: Entre concepções, tensões e propostas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p.12-23.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v6i12.2744

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: