Enclave de natureza rodeado por asfalto e concreto: trabalho de campo na cidade de Águas Claras-DF e os componentes físico-naturais

Ricardo Chaves de Farias, Leonardo Ferreira Farias da Cunha

Resumo


Esse texto é fruto de uma prática pedagógica realizada pelo professor de Geografia com uma turma de Sétimo Ano do Ensino Fundamental - Anos Finais, na cidade de Águas Claras - DF. Trata-se de um Trabalho de Campo no espaço ao redor da escola, realizado a partir de uma mediação didática processual e organizada em três etapas, de modo a permitir a problematização (pré-campo), sistematização (campo) e síntese (pós-campo). Utilizou-se um caderno de campo organizado pelo professor para o registro de informações e interação com espaço.  Delimitou-se quatro pontos de exploração, na então denominada, Unidade Territorial de Aprendizagem. Entre eles, utilizou-se o Parque Ecológico da cidade para a construção de conhecimentos vinculados à dinâmica físico-natural presente, embora ocultada pelos prédios ao redor. Constatou-se que o espaço escolar pode ser aproveitado como ambiente para a realização de trabalhos de campo e que a mediação didática é um método eficiente para a construção de conhecimentos, a partir de um protagonismo dos estudantes. 


Palavras-chave


Geografia Escolar; Trabalho de Campo; Mediação Didática; Componentes Físico-Naturais.

Texto completo:

PDF

Referências


BRACKEN, Louise; MAWDSLEY, Emma. ‘Muddy glee’: rounding out the picture of women and physical geography fieldwork. Area, v. 36, n. 3, p. 280-286, september 2004.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas, SP: Papirus, 1998.

CAVALCANTI, Lana de Souza. O ensino de geografia na escola. Campinas, SP: Papirus, 2012.

CAVALCANTI, Lana de Souza. A metrópole em foco no ensino de Geografia: o que/para que/para quem ensinar?. In: PAULA, Flavia Maria de Assis Paula; CAVALCANTI, Lana de Souza; SOUZA, Vanilton Camilo de (Org.). O ensino de Geografia e Metrópole. Goiânia: Editora América, 2014. p. 30-55.

COSTELLA, Roselane Zordan. O significado da construção do conhecimento geográfico gerado por vivências e por representações espaciais. 203 f. Tese (Doutorado em Geografia)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

CUNHA, Leonardo Ferreira Farias da. A abordagem dos componentes físico-naturais nas aulas de Geografia em escolas públicas de Taguatinga-Distrito Federal. 107 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

DISTRITO FEDERAL. Lei Complementar n° 265, 14 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a criação de Parques Ecológicos e de Uso Múltiplo no Distrito Federal. Diário Oficial do Distrito Federal, 23 de dezembro de 1999.

DISTRITO FEDERAL. Parque Ecológico de Águas Claras. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

FARIAS, Ricardo Chaves de. Trabalho de campo em unidade territorial de aprendizagem: possibilidade para o ensino de cidade na geografia escolar. 162 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

GOMES, P. C. da C. Quadros geográficos: uma forma de ver, uma forma de pensar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017. 160 p.

HOVORKA, A. J., & WOLF, P. A. Activating the classroom: Geographical fieldwork as pedagogical practice. Journal of Geography in Higher Education, London (UK), v. 33, n. 1, p. 89-102, jan. 2009.

KAERCHER, N. A. “A geografia é o nosso dia a dia”. In: CASTROGIOVANNI, A.C. et al. Geografia em sala de aula, práticas e reflexões. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros, 1998.

KENT, M., GILBERTSON, D. D., & HUNT, C. O. Fieldwork in geography teaching: A critical review of the literature and approaches. Journal of geography in higher education. London (UK), v. 21, n. 3, p. 313-332, may 1997.

KRAKOWKA, A. R. Field trips as valuable learning experiences in geography courses. Journal of Geography, London (UK), v. 111, n. 6, p. 236-244, oct. 2012.

LEITE, Cristina Maria Costa. Sustentabilidade, Geografia Escolar e Cidade: uma associação possível. In: LIMA, J. C. F. de; BATISTA, P. A.; ARAGÃO, W. A. de Aragão. (Org.). Geografia em Interfaces: diálogo e reflexões entre ensino, cidade, ambiente e turismo. João Pessoa: Ideia, 2017. p. 173-188.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1985.

LONDE, P. R; MENDES, P. C. A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 10, n. 18, p. 264-272, jul. 2014.

OLIVEIRA, L. A. de; MASCARÓ, J. J. Análise da qualidade de vida urbana sob a ótica dos espaços públicos de lazer. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 59-69, abr./jun. 2007.

MORAIS, E. M. B. de. O ensino das temáticas físico-naturais na Geografia escolar. 310 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana)-FFLCH, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

MOREIRA, Ruy. Para onde vai o pensamento geográfico? por uma epistemologia crítica. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

ROQUE ASCENÇÃO, V. de O; VALADÃO, R. C. Por uma Geomorfologia socialmente significativa na Geografia Escolar: uma contribuição a partir de conceitos fundantes. Acta Geográfica, Boa Vista, Edição Especial, p. 179-195, 2018.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. 8ª reimpr. São Paulo: Edusp, 2014.

SOUZA, M. L. de. Ambientes e territórios: uma introdução à ecologia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

SHULMAN, Lee S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos CENPEC, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 196-229, dez. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v8i14.2964

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: