Educação ao ar livre e Geografia: caminhos possíveis no currículo brasileiro

Paola Gomes Pereira, Antonio Carlos Castrogiovanni

Resumo


Nesse trabalho abordamos novas metodologias de ensino e aprendizagem e refletimos sobre resultados possíveis que possam emergir através dessas práticas. A Educação ao Ar Livre (Outdoor Education) é uma área de ensino bastante presente em países europeus, em especial, países de origem anglo-saxônica e germânica. No Brasil, a educação ao ar livre em alguns momentos é incorporada por institutos e organizações não governamentais, mas ainda é pouco explorada no ensino escolar. Pensamos sobre os caminhos possíveis que possam ser construídos através do diálogo com essa área no Brasil. Uma das nossas dúvidas é: o que diferencia a Educação ao Ar Livre de uma prática pedagógica realizada fora da sala de aula? Essa é uma das perguntas que orientará nossas reflexões nesse trabalho. Buscamos nessa pesquisa pensar a Educação ao Ar Livre voltada para o lugar, na qual o descobrimento da comunidade local e do espaço vivido está presente nas práticas de ensino e aprendizagem que buscam o exercício da cidadania. Dessa forma, uma educação que instigue o envolvimento com a comunidade local, a compreensão das características naturais do lugar e uma sensação de corresponsabilidade pelo espaço, pode contribuir para a formação cidadã e o cuidado com o espaço vivido. A pesquisa ainda se encontra em suas etapas iniciais e a metodologia desenvolvida até então foi constituída da construção de referencial teórico que permita refletir sobre os conceitos relacionados a temas como a Complexidade, a Educação ao Ar Livre, o ensino de Geografia, a Paisagem e o Lugar. Realizamos uma análise da Base Nacional Comum Curricular do Brasil, considerando os anos finais do Ensino Fundamental, na área das Ciências Humanas no componente curricular de Geografia, para a partir das competências pensadas para o componente, identificar as possibilidades de aplicação de práticas de educação ao ar livre para o desenvolvimento destas. Refletimos sobre a forma como a educação ao ar livre permite a construção de competências geográficas e transformações pessoais, e apresentamos através de atividades as potencialidades dessas práticas.


Palavras-chave


Educação ao Ar Livre; Ensino de Geografia; Currículo; Competências Geográficas.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC. 2018. Disponível em: . Acesso: 01 jul. 2019.

BROWN, Mike. Outdoor education: Opportunities provided by a place based approach. New Zealand Journal of Outdoor Education, v. 2, n. 3, p. 7-25. 2008.

CALLAI, Helena. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, A. C. (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000.

CAVALCANTI, Lana de Souza. A Geografia escolar e acidade: ensaios sobre o ensino de geografia para vida urbana cotidiana. São Paulo: Papirus, 2008.

CAVALCANTI, Lana de Souza. O lugar como espacialidade na formação do professor de geografia: breves considerações sobre práticas curriculares. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 1, n. 2, p. 1-18, 2011.

CLAUDINO, Sérgio. Escola, Educação Geográfica e Cidadania Territorial. Scripta Nova, Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, v. 18, n. 496 (09), dez. 2014.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 4ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

GURHOLT, Kristi. Norwegian Friluftsliv as Bildung: a Critical Review. In: BECKER, P. & SCHIRP, J. (Ed.). Other Ways of Learning. Marburg: BSJ, 2008.

INGOLD, Tim. The Temporality of the Landscape. World Archaeology, v. 25, n. 2, p. 24-174, 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2017.

KNAPP, Clifford. The "I - Thou" Relationship, Place-Based Education. Journal of Experiential Education, v. 27, n. 3, p. 277-285, 2005.

LOYNES, Chris. The British Youth Expedition: Cultural and Historical Perspectives. In BEAMES, S. (Ed.) Understanding Educational Expeditions. Rotterdam: Sense Publishers, 2010.

MASSEY, Doreen. Space, place, and gender. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994.

MASSEY, Doreen. Power-geometry and a progressive sense of place. In: CURTIS, Barry; PUTNAM, Tim; TICKNER, Lisa (Ed.). Mapping the futures: local cultures, global change. New York: Routledge, 2005. p. 60-70.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado da. Para navegar no século 21: tecnologias do imaginário e cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 1999. p. 19-42.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 5ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2002.

PEREIRA, Paola Gomes. A educação ao ar livre voltada para o lugar e suas possibilidades no ensino de geografia. In: CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos; TONINI, Ivaine Maria; KAERCHER, Nestor André; COSTELLA, R. Z. (Org.). Movimentos no ensinar geografia: rompendo rotações. Porto Alegre: Evangraf, 2015. p. 141-155.

PEREIRA, Paola Gomes; CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. Possibilidades da educação ao ar livre voltada para o lugar em um contexto brasileiro. Para Onde!?, UFRGS, v. 14, n. 1, p. 90-109, 23 nov. 2020. . Acesso em: 30 nov. 2020.

QUAY, John. Outdoor education and school curriculum distinctiveness: More than content, more than process. Journal of Outdoor and Environmental Education, v. 19, n. 2, p. 42–50, 2016. Disponível em: . Acesso: 01 jul. 2019.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo - razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

WATTCHOW, Brian; BROWN, Mike. A Pedagogy of Place. Outdoor education for a changing world. Clayton: Monash University Publishing, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v7i14.2986

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: