A formação docente em geografia: por uma mudança de paradigma científico

Victória Sabbado Menezes, Nestor André Kaercher

Resumo


O presente artigo tem o intuito de provocar uma reflexão concernente à formação inicial do professor de Geografia com o enfoque para os saberes docentes e o modelo de formação universitária. Para tanto, realizou-se uma revisão bibliográfica e uma pesquisa documental visando fundamentar as explicitações teóricas empreendidas. Diante do paradigma dominante na universidade, assentado na perspectiva da ciência moderna, observam-se alguns limites para a formação de educadores capazes de lidar com a complexidade do contexto escolar contemporâneo, como a visão dicotomizada entre teoria e prática, o modelo aplicacionista e a desconsideração do caráter afetivo do trabalho docente. Repensar a formação inicial remete ao questionamento constante sobre a visão de ciência e de ensino predominante em âmbito acadêmico. Portanto, a mudança do paradigma da modernidade para o da ciência pós-moderna constitui um caminho profícuo ao pautar-se na racionalidade prático-reflexiva, na integração entre os saberes, na consideração de incertezas e na articulação entre razão e emoção. Uma formação docente baseada nestes princípios poderá contribuir para o desenvolvimento de um ensino de Geografia com cor e sentido aos educandos.


Palavras-chave


Formação Docente; Geografia; Paradigma Científico

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. São Paulo: Cortez, 1980.

AZAMBUJA, Leonardo Dirceu de; CALLAI, Helena Copetti. A licenciatura de Geografia e a articulação com a educação básica. In: CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos (et al.). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: Ed UFRGS, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BELCHIOR. Velha roupa colorida. In: BELCHIOR. Alucinação. Rio de Janeiro: PolyGram, 1976. 1 CD. Faixa 2.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CEB n. 09/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 8 de maio de 2001.

CALLAI, Helena Copetti. A formação do profissional da geografia: o professor. Ijuí: EdUnijuí, 2013.

CASTELLAR, Sonia Maria Vanzella. A formação de professores e o ensino de Geografia. Terra Livre, n. 14, p. 51-59, jan./jul. 1999.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Formação inicial e continuada em geografia: Trabalho Pedagógico, metodologias e (re)construção do conhecimento. In: ZANATTA, Beatriz Aparecida; SOUZA, Vanilton Camilo de (Org.). Formação de professores: reflexões do atual cenário sobre o ensino da geografia. Goiânia: NEPEG, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALEANO, Eduardo. Las venas abiertas de América Latina. México: Siglo XXI, 2006.

GARCIA, Carlos Marcelo. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995. p. 35-50

GAUTHIER, Clermont [et al.]. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: EdUNIJUÍ, 1998.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. Ed. São Paulo: Cortez, 2006.

KRAHE, Elizabeth Diefenthaeler. Sete décadas de tradição – ou a difícil mudança de racionalidade da pedagogia universitária nos currículos de formação de professores. In: FRANCO, Maria Estela Dal Pai Franco; KRAHE, Elizabeth Diefenthaeler (Orgs.). Pedagogia universitária e áreas de conhecimento. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2007, p. 27-37.

MONTEIRO, Silas Borges. Epistemologia da prática: o professor reflexivo e a pesquisa colaborativa. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MORIN, Edgar. Amor, poesia, sabedoria. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2003.

________. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005a.

________. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005b.

________. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

________. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

NÓVOA, Antonio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995. p.15-33

ROSA, Dalva E. Gonçalves. Formação de professores: concepções e práticas. In: CAVALCANTI, Lana de Souza (Org.). Formação de professores: concepções e práticas em Geografia. Goiânia: E. V., 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHON, Donald. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995. p.77-91

TARDIF, Maurice. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 123, p. 551-571, abr./jun. 2013. Disponível em . Acesso em: 20 ago. 2014.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 16ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/grgcp2.v2i4.544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2358-4467

 

Licença Creative Commons

Indexada em: