A origem da vida na educação básica: uma abordagem a partir do método científico

Roberta da Rocha Ouverney, Débora de Aguiar Lage

Resumo


O ensino sobre origem da vida possibilita o aprendizado sobre história da Ciência e destaca a relevância da observação e experimentação na construção do conhecimento científico. Considerando a polêmica que envolve o tema associada à dificuldade de muitos professores na sua abordagem, este estudo objetivou trabalhar a origem da vida, a partir das etapas do método científico. Após análise sobre a concepção dos estudantes, realizou-se uma aula diferenciada, com debates, vídeos e animações, evidenciando os principais naturalistas e teorias propostas sobre o surgimento das espécies. Ao final, os estudantes participaram de uma atividade problematizadora, em que, a partir da observação de um fato, deveriam formular uma hipótese, elaborar um experimento para comprovar ou refutar suas hipóteses e descrever os resultados esperados. Acreditamos que a metodologia aqui proposta constitui um instrumento válido e eficaz para a construção do conhecimento científico, permitindo o desenvolvimento de competências e habilidades para além do espaço escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. V.; MAGALHÃES, F. O. Robert Hooke e o problema da geração espontânea no século XVII. Scientiae Studia, v. 8, n. 3, p. 367-388, 2010.

ARIZA, F. V. A scala naturae de Aristóteles na obra De generatione animalium. Dissertação (Mestrado em História da Ciência), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. 95f.

AUSUBEL, D. P. Is there a discipline of Educational Psychology? In: AUSUBEL, D. P. (Org.). Readings in school learning. New York: Holt, Rinehart and Winston, p.3-28, 1969.

BIZZO, N.; MOLINA, A. El mito darwinista em el aula de clase: um análisis de fuentes de información al gran público. Ciência e Educação, v. 10, n. 3, p. 401-416, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Nacional de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEF, 1999. Disponível em: . Acesso em março de 2012.

BRITO, L. D.; SOUZA, M. L.; FREITAS, D. Formação inicial de professores de ciências e biologia:a visão da natureza do conhecimento científico e a relação CTSA. Interacções, n. 9, p. 129-148, 2008.

CARVALHO, A. M. P. Ensino de Ciências - unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

CARVALHO, E. C. A controvérsia sobre a geração espontânea entre Needham e Spallanzani: Implicações para o ensino de Biologia. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências), Programa de pós-graduação Interunidades em ensino da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. 138f.

CARVALHO, E. C.; PRESTES, M. E. B. Lazzaro Spallanzani e a geração espontânea: os experimentos e a controvérsia. Revista da Biologia, v. 9, n. 2, p. 1-6, 2012.

CERQUEIRA, A. V. Representações sociais de dois grupos de professores de biologia sobre o ensino de Origem da Vida e Evolução Biológica: aspirações, ambiguidades e demandas profissionais. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Saúde), Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. 90f.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 4. ed. Ijuí: Ed. UNIJUI, 2006.

CHASSOT, A. Catalisando transformações na educação. Ijuí: Editora Unijuí, 1993.

COSTA, L. O. Análise da concepção dos alunos de terceiro ano do ensino médio, sobre a origem das espécies em relação aos seus backgrounds culturais.Monografia (Especialização em Ensino de Ciências e Biologia) – Instituto de Bioquímica Médica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. 43f.

CYRINO, E. G.; PEREIRA, M. L. T. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 780-788, 2004.

ESCOBAR, C. C. A astrobiologia no Brasil. Revista Espaço Científico Livre, n. 12, p. 10-15, 2013.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. In: Anais do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, p. 1-13, 1999.

HODSON, D. In search of a meaningful relationship: an exploration of some issues relating to integration in science and science education. International Journal of Science Education, v. 14, n. 5, p. 541-562, 1992.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, v. 7, p. 55-66, 2008.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4ª ed. rev. e ampl., 2ª reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

LIMA, I. G. P. Novas perspectivas sobre a hipótese da panspermia.Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, v. 6, n.11, p. 1-18, 2010.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER, F. Biologia Hoje, Vol. 3, Genética, Evolução, Ecologia. São Paulo: Editora Ática, 2008.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2003. Disponível em: . Acesso em maio de 2012.

MARTINS, L. A. C. P. A história da ciência e o ensino da biologia. Ensino e Ciências, n. 5, p. 18-21, 1998.

MARTINS, L. A. C. P. Aristóteles e a geração espontânea. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Série 2, v. 2, n. 2, p. 213-237, 1990.

MARTINS, L. A. C. P. Pasteur e a geração espontânea: uma história equivocada. Filosofia e História da Biologia, v. 4, p. 65-100, 2009.

MARTINS, L. A. C. P.; MARTINS, R. A. Geração espontânea: dois pontos de vista. Perspicillum, v. 3, n. 1, p. 5-32, 1989.

MARTINS, R. A. O universo: Teorias sobre sua origem e evolução. São Paulo: Editora Moderna, 1994. Disponível em: . Acesso em junho de 2013.

MOREIRA, M. A. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. Porto Alegre: Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998.10p (adaptado e atualizado, em 1997, de MOREIRA, M. A. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. O Ensino, Pontevadra/Espanha e Braga/Portugal, n. 23 a 28, 1988, pp. 87-95). Disponível em: . Acesso em agosto de 2013.

MURTA, M. M.; LOPES, F. A. Química pré-biótica: sobre a origem orgânica das moléculas orgânicas na Terra. Química nova na escola, n. 22, 2005.

NAKANO, T. C. Investigando a criatividade junto a professores: pesquisas brasileiras. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 13, n. 13, p. 45-53, 2009.

NEEDHAM, J. T. Observations upon the generation, composition, and decomposotion of animals and vegetables substances. London, [s.e.], 1749.

NICOLINI, L. B. Origem da vida: como os licenciandos em Ciências Biológicas lidam com este tema? Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional), Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. 97f.

PCN. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do fundamental. Ciências Naturais, 1998. Disponível em: Acesso em julho de 2012.

PCN+. Parâmetros Curriculares + (Ensino Médio): Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, 2002. Disponível em: . Acessado em setembro de 2012.

PEDRANCINI, V. D.; NUNES, M. J. C.; GALUCH, M. T. B.; MOREIRA, A. L. O. R.; RIBEIRO, A. C.Ensino e aprendizagem de Biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias,v. 6, n. 2, p. 299-309, 2007.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para a formação de professores. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e Imaginação: os caminhos do conhecimento nas Ciências, nas Artes e no Ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. 154p. Disponível em: Acesso em abril de 2014.

PORTO, R. A.; FALCÃO, E. B. M. Teorias da origem da vida e evolução da vida: dilemas e desafios no ensino médio. Revista Ensaio, v. 12, n. 3, p. 13-30, 2010.

RAMPELOTTO, P. H. A química da vida como nós não conhecemos. Química Nova, v. 35, n. 8, p. 1619-1627, 2012.

ROSA, C. A. P. História da ciência: Da antiguidade ao renascimento científico. Fundação Alexandre de Gusmão, Brasília, v. 1, 2010. Disponível em: . Acessado em maio de 2014.

SANTOS, C. H. V. História e Filosofia da Ciência nos Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio: Análise do Conteúdo Sobre a Origem da Vida. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática), Universidade Estadual de Londrina, Paraná, 2006. 85 f.

SANTOS, K. D. S.; OLIVEIRA, J. P.; LEITE, A. B. X.; SANTOS, R. S.; GUIMARÃES, M. A.; PAGAN, A. A. Origem da vida para alunos do ensino médio de Itatibaia e Frei Paulo - SE. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 2, n. 2, p. 96-109, 2011.

TEIXEIRA, P. M. M. Algumas considerações sobre o conceito de cidadania. In: Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, Águas de São Pedro. Textos geradores e resumos. São Paulo, Unesp, p. 108, 1998.

TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C.L. Microbiologia. 10ª ed. Porto Alegre: Editora Artmed, 2012.

VÁSQUES, A.; MANASSERA, M. A. M. Actitudes relacionadas com laciencia: una revision conceptual. Ensenãnza de lasCiencias, v. 13, n. 3, p.337-346, 1995.

VENTURELLI, J. Educación médica: nuevos enfoques, metas y métodos. OrganizaciónPanamericana de laSalud/Organización Mundial de laSalud. Serie PaltexSalud y Sociedad, n. 5, 2000.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. S. Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciências em Tela, v.2, n.1, 2009.

ZAIA, D. A. M. Da geração espontânea à química prébiótica. Química Nova, v. 26, n. 2, p. 260-264, 2003.

ZAIA, D. A. M.; ZAIA, C. T. B. V. Algumas controvérsias sobre a origem da vida. Química Nova, v. 31, n. 6, p. 1599-1602, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v2i2.1620

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.