A MOBILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ALGÉBRICO ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ENXADRÍSTICOS

Bianca Medeiros Marques, Márcia Souza da Fonseca

Resumo


Este artigo é parte de um estudo teórico realizado para pesquisa de mestrado, que trata do Jogo de Xadrez na forma de problemas enxadrísticos. O objetivo do estudo é analisar a existência de relação entre a resolução de problemas enxadrísticos, especificamente os de xeque-mate, e o pensamento algébrico. O referencial teórico utilizado para sustentar a ideia de investigação persegue a abordagem Etnomatemática, bem como os Jogos de Linguagem de Wittgenstein. A parte empírica da pesquisa, busca por manifestações do pensamento algébrico e será realizada através da análise dos Jogos de Linguagem dos participantes, alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, de uma escola privada da cidade de Pelotas/RS.

Palavras-chave


Jogo de Xadrez; Problemas Enxadrísticos; Pensamento Algébrico; Etnomatemática; Jogos de Linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, J. W. Q. O jogo de xadrez e a educação matemática: como e onde no ambiente escolar. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2010.

ANGÉLICO, L. P.; PORFÍRIO, L. C. O jogo de xadrez modifica a escola: por que se deve aprender xadrez e tê-lo como eixo integrador no currículo escolar? Revista Eletrônica da faculdade Semar/Unicastelo. V. 1, n. 1. 2010.

BELLO, S. E. L. Jogos de Linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a educação (matemática) contemporânea. Rev. Zetetiké, v. 18, 545-588. 2010.

D’AMBRÓSIO, B. S. Como ensinar matemática hoje? Temas e Debates. SBEM, Brasília,Ano II. n. 2, p. 15-19. 1989. Disponível em: Acesso em: 19 mai 2017. D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: Arte ou técnica de explicar e conhecer. 5.ed. Editora Ática. São Paulo, 1998.

____________________. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120. 2005.

DAUVERGNE, P. O caso do xadrez como ferramenta para desenvolver a mente de nossas crianças. In: FILGUTH, Rubens (Org.). A importância do xadrez. Porto Alegre: Artmed, p. 11-17.2007.

FERNANDES, R. K. Manifestação de pensamento algébrico em registros escritos de estudantes do ensino fundamental I. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A.; MIGUEL, A. Contribuição para um Repensar... a Educação Algébrica Elementar.Pró-Posições, Campinas, v. 4, n.1[10]. 1993.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

HUIZINGA, J. Homo Ludens. 4.ed. Editora Perspectiva. São Paulo, 2000.

KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; GIONGO, I. M.; DUARTE, C. G. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. Perspectiva. Florianópolis, UFSC/CED, NUP, n. 22, p. 105-128. 1994.

LARA, I. C. M. de. A constituição histórica de diferentes sujeitos matemáticos. Acta Scientiae. Canoas, v. 13, n. 2, p. 97-114. 2011.

MALUTA, T. P. O jogo nas aulas de matemática: possibilidades e limites. TCC – Departamento de Metodologia de Ensino, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007.

MEDEIROS, S. Wittgenstein e os jogos da linguagem: um estudo introdutório. Campinas, 2006. Disponível em: Acesso em: 24 set 2016.

PANOSSIAN, M. L. Manifestações do pensamento e da linguagem algébrica de estudantes: indicadores para a organização do ensino. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Trad. Heitor Lisboa de Araújo. 2ª reimpressão. Interciência, Rio de Janeiro, 1995.

SÁ, A. V. M. de; TRINDADE, S. H. de S.; FILHO, A. B. de A. L. e; VALLE, A. Xadrez: cartilha.Brasília: Ministério de Educação e do Desporto, 2003.

SHENK, D. O jogo imortal: o que o xadrez nos revela sobre a guerra, a arte, a ciência e o cérebro humano. Trad. Roberto Franco. Zahar, Rio de Janeiro, 2007.

WANDERER, F. Etnomatemática e o pensamento de Ludwig Wittgenstein. Revista de ensino de ciências e matemática, ULBRA, V. 15, N. 2, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v4i1.2409

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.