EDUCAÇÃO E A ESTRUTURA DO PODER POLÍTICO

Lucas Keiji Maeda

Resumo


"A educação sempre foi o instrumento chave da construção nacional de um novo estado" (GREEN, 2013)


Nesse artigo irei abordar a importância da educação para a formação da legitimidade do estado. Definindo o significado de educação e sua função social, poderemos compreender o sentido e o motivo de sua criação. Com base na leitura de vários críticos da educação moderna dos séculos XX e XXI, comparo a proposta da educação enquanto a sua função com a realidade, abordando as relações de poder na escola, a inserção de ideologias no currículo, a força do currículo oculto, a estrutura escolar perante os estudantes, a burocratização do ensino e muitos outros fatores que moldam os indivíduos para agirem de determinada forma na sociedade. O foco do artigo é apresentar ao leitor a presença de um ensino voltado para a formação de profissionais para o mercado, criando pessoas egoístas, competitivas e ansiosas, excluindo assim uma formação voltada para a cidadania, para seres humanos criativos, críticos, autônomos e racionais, pois sem esses cinco fatores a dependência do indivíduo com o estado é maior, marcando a legitimidade das estruturas de poder.


Palavras-chave


Educação, Poder, Mercado, Dependência, Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALENCAR, E. S. D.; FLEITH, D. D. S. Criatividade. 3. ed. Brasília: Univesidade de Brasília, 2003-2009.

APPLE, M. Educação e Poder. São Paulo: Artmed, 2002.

AUTORES, V. Education. Wikipedia, 13 junho 2003. Disponivel em: . Acesso em: 25 Maio 2015.

AZEVEDO, J. M. L. D. A Educação como Política Pública. Campinas: Autores Associados, 2004.

BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974. 295-336 p.

__________. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998. 41-64 p.

__________. Razões Práticas. Campinas: Papirus, 2004. 13-52 p.

BRUNO, L. Poder político e sociedade: qual sujeito, qual objeto. Crise da escola e políticas educativas, Belo Horizonte, v. 1, p. 81-139, 2009.

DEMO, P. Política Social, Educação e Cidadania. Campinas: Papirus, 1994.

DURKHEIM, É. Educação e Sociologia. São Paulo: Hedra, 2010.

ELLIAS, N.; SCOTSON, J. L. Os Estabelecidos e os Outsiders. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

FARINON, M. J. Teoria Crítica e Educação: a dimenção ético-educacional do sujeito estético em Adorno. V CINFE Congresso Internacional de Filosofia e Educação. Caxias do Sul: ISSN. Maio 2010. p. 1-15.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

FREITAS, D. N. T. A Avaliação da Educação Basica e Ação Normativa federal. Cad. Pesquisa.

GREEN, A. Education, Globalization and the Nation State. New York: Scholarly and Reference Division, 1997.

HERMAN, E. S.; CHOMSKY, N. A manipulação do público: política e poder econômico no uso da mídia. São Paulo: Futura, 2003.

HILLYGUS, D. S. The Missing Link: Exploring the Relationship Between Higher Education and Polítical Engagement. Political Behavior, v. 27, p. 25-47, 2005.

HOURDAKIS, A. Aristóteles e a educação. São Paulo: Loyola, 2001.

ILLICH, I. Deschooling Society. New York: New York, v. 56, 1671.

LENHARD, R. Sociologia Educacional. São Paulo: Pioneira, 1973.

LIBÂNEO, J. C. Tendências Pedagógicas na Prética Escolar. In: LIBÂNEO, J. C. Democratização da Escola pública. A pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyota, 1986. p. 19-44.

MASI, D. D. Criatividade e Grupos Criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

MEYER, J. W.; RUBINSON, R. Education and Political Development. Review of Research in Education, v. 3, p. 134-162, (1975).

MORAES, R. C. Reformas Neoliberais e Políticas Públicas: hegemonia ideológica e redefinição das relações Estado-Sociedade. Educação e Sociedade, p. 13-24, 2002.

NOGUEIRA, M. A. Um Tema Revisitado- as classes médias e a escola. In: APPLE, M.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. Sociologia da Educação. Rio Grande do Sul: Penso, 2013. p. 280-290.

PATTO, M. H. S. A Produção do Fracaço Escolar: história de submissão e rebeldia. Casa do Psicólogo, p. 79-139, 2010.

PAVIANI, J. Platão e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

POTERBA, J. M. Demographic Structure and the Political Economy of Public Education. Jornal of Policy Analysis and Management, Cambridge, p. 44-66, 1997.

REAY, D. Sociologia, Classe social e educação. In: APPLE, M.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A Sociologia da Educação. Rio Grande do Sul: Penso, 2013. p. 428-437.

SPOSITO, M. P. Interfaces entre a Sociologia da Educação e os Estudos sobre a Juventude no Brasil. In: APPLE, M.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. Sociologia da Educação. Rio Grande do Sul: Penso, 2013. p. 438-446.

TRAGTENBERG, M. A Escola como Organização Complexa. In: GARCIA, W. E. Educação Brasileira Contemporânea. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976. p. 15-30.

WATERS, R. Another Brick in the Wall. Harvest: [s.n.], 1979.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

________. Economia e Sociedade. 3. ed. Brasília: Universidade de Brasília, v. 1, 1994.

________. Economia e Sociedade. 4. ed. Brasília : UnB, v. 2, 2012.

ZIMRING, F. Carl Rogers. Recife: Fundação Joaquim Nambuco, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v4i1.2411

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.