LEI Nº 10.639/2003: Outra LDB. Outra escola?

Alessandra Pio

Resumo


O texto busca evidenciar, através de relatos da rotina pedagógica de duas instituições educacionais, as resistências à inserção dos conteúdos preconizados pela Lei nº10.639/2003, que modificou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. A partir de pesquisas dedicadas aos estudos sobre o ideal de branqueamento, branquitude e mestiçagem brasileira, é possível verificar o medo da perda de privilégios e, portanto, uma das maiores causas da resistência à transformação da realidade curricular escolar, ainda excludente.

Palavras-chave


Relações Étnico-raciais; Privilégios; Educação; LDB

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e Branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento. 5ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p.25-58.

______. Resgatando a minha bisavó: discriminação racial e resistência nas vozes de trabalhadores negros. [Dissertação de Mestrado] PUC/São Paulo, 1992.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice Nogueira; CATANI, Afrânio. Escritos de Educação. 11ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p.39-64.

BRASIL. Lei nº. 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Inclui a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

BRASIL. Parecer nº 03/2004. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Brasília, 2004.

FERRER, Ada. A sociedade escravista cubana e a Revolução Haitiana. Almanack. Guarulhos, n.03, p.37-53, 1º semestre de 2012.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico Atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XIX e XIX). São Paulo: Editora UNESP, 2014.

MUNANGA, Kabengele. O anti-racismo no Brasil. In: MUNANGA, Kabengele (Ed.). Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. EdUSP, 1996.

______. Prefácio. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento. 5ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p.9-11.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo social, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2006.

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Editora UFRJ, 1995.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 159-189.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Branquitude e poder: revisitando o “medo branco” no século XXI. Revista da ABPN, v. 6, n. 13, p. 134-147, 2014.

______. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana [Tese de Doutorado]. Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

SOVIK, L. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca no Brasil. In V. Ware (Org.). Branquidade, identidade branca e multiculturalismo Tradução: V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. pp. 363-386.

WARE, V. (2004). O poder duradouro da branquidade: “um problema a solucionar”. Introdução. In: V. Ware (Org.). Branquidade, identidade branca e multiculturalismo. Tradução: V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. pp. 7-40.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v1i1.709

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.