A Crise de Paradigmas na Escola Atual: Uma Escola Moderna em um Mundo Pós Moderno

Elaine Lopes Novais

Resumo


Este artigo, parte de uma tese acerca da construção da (in)disciplina na escola, tem como objetivo discutir as mudanças pela qual a escola atual tem passado, devido ao fato da mesma estar inserida no contexto sócio-histórico da pós-modernidade. A escola não pode mais ser a mesma criada no século XIX, mas ainda não consegue se reconstruir como uma instituição que representa e reproduz a sociedade atual, com seus valores, crenças e verdades. Conclui-se que a instituição escolar precisa se reconstruir para reencontrar seu espaço no contexto de uma sociedade pós-moderna. Ela ainda possui um status muito importante na sociedade atual, uma vez que é o espaço obrigatório de formação, para qual são enviados as crianças e os jovens de cada cidade, estado, país. No entanto, seu status simbólico, sua relevância, seu papel, estão cada vez menos claros e definidos. Por isso, a escola precisa se redefinir para manter sua importância e seu papel na sociedade atual.


Palavras-chave


escola, modernidade, pós modernidade, crise, paradigmas

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Ideologia e Currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

ARROYO, M. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2004.

BAUMAN, Z. O mal estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998.

BRANDÃO, Z.____________. A crise dos paradigmas e a educação. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1996.

CANÁRIO, R. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto

Alegre:Artmed, 2006.

CANDAU, V. Construir ecossistemas educativos - reinventar a escola. In: CANDAU, V. Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2000, p.11-16.

___________ . Sociedade, educação e cultura(s): questões e propostas.

Petrópolis: Vozes, 2002.

CORTELLA, M.S. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2004.

DELEUZE, G. Conversações. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 1998.

DONATELLI, D. Quem me educa? A família e a escola diante da (in)disciplina. São Paulo: Editora Arx, 2004.

______________. A perda de autoridade dos pais e os reflexos dentro da escola. Entrevista concedida a Andréa Antunes. Rio de Janeiro:Folha Dirigida – Suplemento do Professor, p.39, 2007.

FERRAÇO, C.A. Ensaio de uma metodologia efêmera: ou sobre as várias maneiras e se sentir e inventar o cotidiano escolar. In: OLIVEIRA, I. B., ALVES, N. (orgs.). Pesquisa no/do cotidiano escolar. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003, p. 91-107.

FOUCAULT, M. [1979] A microfísica do poder. 14a. ed. Rio de Janeiro:Graal, 1999.

______________. [1975] Vigiar e punir. 22a. ed. Petrópolis:Vozes, 2000.

FREIRE, P. ___________. Educação como prática da liberdade. 22a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

___________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e Ousadia: Cotidiano do Professor. 8a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

GATTI, B. A. Pesquisa, educação e pós-modernidade: confrontos e dilemas. In: caderno de pesquisa, v.35, no. 126, São Paulo, set/dez, 2005.

GIDDENS, A.. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2002.

GIROUX, H. A. (org.). Os professores como intelectuais: Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GIROUX, H. A.; PENNA, A. N. Educação social em sala de aula: A dinâmica do currículo oculto. In: GIROUX, H. A (org.) Os professores como intelectuais: Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, p. 55-78.

GIROUX, H. A.; MCLAREN, P. A formação do Professor como uma contra-esfera pública: a pedagogia radical como uma forma de política cultural. In: MOREIRA, A. F.; SILVA, T.T. Currículo, Cultura e Sociedade. 2a ed. São Paulo: Cortez, 1995, p. 125-151.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A, 1998.

HENGEMÜHLE, A. Formação de professores: da função de ensinar ao resgate da educação. Petrópolis: Vozes, 2007.

JOBIM E SOUZA, S. Bakhtin e a psicologia. In: FARACO, C. A.; TEZZA, C.; CASTRO, G. Diálogos com Bakhtin. 3a ed. Curitiba: Editora da UFPR, 2001, p. 189-206.

_________________. Infância e Linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. 7ª. Ed. São Paulo: Papirus, 2003.

JOBIM E SOUZA, S.; CAMPOS, C.C.G. Infância, mídia e cultura de consumo. In: GONDRA, J.G. (org,) História, infância e escolarização. Rio de Janeiro: 7letras, 2002, p. 134-149.

JUSTO, J.S. Escola no epicentro da crise social. In: DE LA TAILLE, Y; PEDRO-SILVA, N.; JUSTO, J.S. Indisciplina/disciplina:ética, moral e ação do professor. Porto Alegre:Ed. Mediação, 2006, p.23-54.

LIBANEO, J. C. In: COSTA, M.V. A escola tem futuro? São Paulo: DP&A, 2003.

LUCKESI, C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1994.

MASSAGUER, M. A escola é nossa. O diálogo e a confiança mútua: Instrumentos para a convivência e a disciplina no Ensino Fundamental. In: ANTUNES, S. et al. Disciplina e convivência na instituição escolar. Porto Alegre: Artmed, 2002, p.65-72.

MCLAREN, P. Rituais na Escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis: Vozes, 1992.

MENEZES, L.C. A indisciplina no alcance de todos. Revista Nova Escola. São Paulo:Ed. Abril, jan-fev de 2008.

MEURIEU, P. Carta a um jovem professor. Porto Alegre:Artmed, 2006.

MOITA LOPES, L.P. Uma lingüística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como lingüista aplicado. In: MOITA LOPES (org.). Por uma lingüística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006(a) , p. 13-44.

________________. Lingüística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES (org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar São Paulo: Parábola Editorial, 2006 (b) , p.85-108.

NÓVOA, A. Para uma análise das instituições escolares. In: NÓVOA, A (org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 13-43.

___________ O professor pesquisador e reflexivo. Disponível em

, acessada em 04/06/2005.

OUTEIRAL, J.; CEREZER, C. O mal-estar na escola. 2ª. ed. Rio de Janeiro:Ed. Revinter, 2005.

SANFELICE, J.L. Pós-modernidade, globalização e educação. In: LOMBARDI, J.C. Globalização, pós-modernidade e educação. São Paulo: Autores Associados, 2003, p. 3-12.

SANTOS, A. F. T. Desigualdade Social e Dualidade Escolar: Conhecimento e Poder em Paulo Freire e Gramsci. Petrópolis: Vozes, 2000.

SANTOS, J. F. O que é pós-modernismo. 21ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2003.

SENNET, R. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2004.

SKLIAR, C. Pedagogia (improvável) da diferença – e se o outro não estivesse aí? São Paulo: DP&A, 2003.

VYGOTSKY. L.S. [1929] A formação Social da Mente. 6a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_______________ Psicologia Pedagógica. 2ª ed. Tradução de Paulo Bezerra, São Paulo: Martins Fontes, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v1i2.800

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.