“Eu não vou usar isso na minha vida mesmo”: reflexões sobre o porquê de se aprender inglês de uma turma de 6º ano

Diego Fernandes Coelho Nunes

Resumo


Nossas salas de aula são repletas de questões, as quais constantemente nos intrigam, nos motivando ou paralisando (MILLER et al., 2008). Este trabalho, então, apresenta considerações sobre um puzzle motivado por uma questão de um dos alunos da turma 64, o qual questionava o porquê de se aprender inglês. Esta questão fomentou a confecção de pôsteres por todos os integrantes da turma, ajudando, assim, no processo de reflexão de toda a turma. Aproveito também para tecer considerações sobre o ensino de língua inglesa na atualidade (JORDÃO, 2011), levando em consideração a diversa gama de letramentos existentes (COPE; KALANTZIS, 2000).


Palavras-chave


Prática Exploratória; Ensino de línguas; Multiletramentos

Texto completo:

PDF

Referências


ALLWRIGHT, D.; HANKS, J. The Developing Language Learner: An Introduction to Exploratory Practice. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2009.

ALMEIDA, R. L. T. Entre o instrutor de línguas e o educador linguístico: perfis de licenciandos na formação inicial do professor de inglês. In: Ecos da Linguagem, v. 3, p. 101-123, 2014.

BALOCCO, A. E. A perspectiva discursiva-semiótica de Gunther Kress: o gênero como um recurso representacional. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. [orgs.]. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p. 65-80, 2005.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARRETO, B. C. et al. Atividades Pedagógicas com Potencial Exploratório: caminhos para a coconstrução de entendimentos, no prelo.

BORBA, M. S.; ARAGÃO, R. Multiletramentos: novos desafios e práticas de linguagem na formação de professores de inglês. In: Polifonia. Cuiabá – MT, v. 19, n. 25, jan./jul., p. 223-240, 2012.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental – língua estrangeira. Brasília: Secretaria de Ensino Fundamental, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, p. 49-63, 2000.

BRYDON, D. Local needs, global contexts: learning New Literacies. In: MACIEL, R.; ARAUJO, V. (Orgs.) Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial, p. 128-140, 2011.

CARVALHO, G. Gênero como ação social em Miller e Bazerman: o conceito, uma sugestão metodológica e um exemplo de aplicação. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. [orgs.]. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p. 130-149, 2005.

COPE, B.; KALANTZIS, M. [eds.]. Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures, Routledge, London, 2000.

EWALD, C. X. “Eu não tô só participando. Tô usufruindo também.” Prática Exploratória na formação do professor pesquisador. Tese de doutorado, Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 314p., 2015.

FREIRE, P. Pegadogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49. ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1996] 2014.

JORDÃO, C. M. A posição do Inglês como Língua Internacional e suas implicações para a sala de aula. In: GIMENEZ, T.; CALVO, L. C. S.; EL KADRI, M. S. [orgs.]. Inglês como Língua Franca: ensino-aprendizagem e formação de professores. Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 14 – Campinas, SP: Pontes Editores, p. 221-252, 2011.

LEMKE, J. L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. In: Trab. Ling. Aplic., Campinas, 49(2): 455-479, Jul./Dez. 2010.

MILLER, C. Genre as social action. In: FREEDMAN, A.; MEDWAY, P. [eds.]. Genre and the New Rhetoric. London: Taylor & Francis, p. 23-42, [1984] 1994.

MILLER, I. K. et al. Prática Exploratória: questões e desafios. In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. Campinas: Pontes Editores, p. 145-165, 2008.

MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada na modernidade recente: festschriff para Antonieta Celani. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

MORAES BEZERRA, I. C. R. Com quantos fios se tece uma reflexão? Narrativas e argumentações no tear da interação. Tese de Doutorado, Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 302p., 2007.

_________________. Prática Exploratória e a formação inicial do professor reflexivo: o que vai ficar para os alunos? In: Revista Contemporânea de Educação, v. 7, p. 59-76, 2012.

_________________. Gêneros discursivos, ensino de língua estrangeira e prática docente: a vida em capas de revistas. In: WILSON, V.; MORAIS, J. F. S. Leitura, escrita e ensino: discutindo a formação de leitores. São Paulo: Summus, p. 179-211, 2015.

_________________.; NUNES, D. F. C. Afeto e aquisição de segunda língua: a estória de uma licencianda. In: CARVALHO, Gisele; ROCHA, Décio; VASCONCELLOS, Zinda (org.). Linguagem: Teoria, Análises e Aplicações (7). Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Letras/UERJ, p. 18-30, 2013.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução: Eloá Jacobina. 21ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, [2000] 2014.

RODRIGUES, R. L. A. A Prática Exploratória na formação de professores de Língua Inglesa: reflexão e ética no fazer pedagógico. Tese de Doutorado, Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 205p., 2014.

ROJO, R. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. [orgs.]. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p. 184-207, 2005.

_______. Gêneros de discurso/texto como objeto de ensino de línguas: um retorno ao trivium? In: SIGNORINI, I. [org.]. [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, p. 73-108, 2008.

SALLES, M. R.; GIMENEZ, T. Ensino de inglês como língua franca: uma reflexão. In: Revista BELT, Porto Alegre, v. 1, nº 1, p. 26-33, janeiro/julho, 2010.

SANTIAGO, A. C. S. Quem sou eu, quem somos nós? Negociando identidades em narrativas de experiência: Um trabalho exploratório. Dissertação de Mestrado, Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 198p., 2009.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. 1. ed. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

THE NEW LONDON GROUP. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. [eds.]. Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures, Routledge, London, p. 9-36, 2000.

VILLELA, M. de M. O planejamento de aula na fase do estágio: oportunidades de aprendizagem. Tese de Doutorado, Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), 338p., 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v1i2.802

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.