“TODOS OS HOMENS NASCEM LIVRES E IGUAIS” – Herança da Revolução Francesa.

Wagner Marques da Conceição

Resumo


O presente artigo procura analisar, brevemente, a associação política cidadania e democracia, que se tornou intrínseca aos indivíduos ao longo da Modernidade, a partir de um diálogo entre o regime democrático existente na Grécia Clássica e as democracias liberais contemporâneas, com base em leituras de Hannah Arendt e Cornelius Castoriadis. Semelhante discussão parte da premissa de que tais realidades políticas, por serem frutos da ação humana, mantêm-se (ou modificam-se) por intermédio desta mesma ação.


 

Palavras-chave


Democracia antiga; Democracia moderna; Cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Perry. Pós-Neoliberalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ARENDT, Hannah. Da revolução. 2 ed. São Paulo: Ática, 1990.

_______. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 3 ed., 1992.

_______. A dignidade da política: ensaios e conferências. 2 ed., Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto, v. I. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_______. As encruzilhadas do labirinto, v. 3. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

DUBY, Georges. As três ordens ou o imaginário do feudalismo. Lisboa: Estampa, 1982.

ENRIQUEZ, Èugene. Da horda ao Estado (Psicanálise do Vínculo Social). Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

PZEWORSKI, Adam. Capitalismo e social-democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

TOCQUEVILLE, Alexis Charles Henri Maurice Clérel de. Democracia na América. São Paulo: Editora Nacional, 1969.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.