DESTECENDO A REDE CONCEITUAL DA CRÔNICA: discussões em torno da crítica e projeções no ensino do gênero menor

Maria Cristina C. Ribas

Resumo


Este trabalho pretende empreender uma revisão da rede conceitual que envolve a crônica no Brasil, a partir dos clichês de definição institucionalizados por parte da crítica (CÂNDIDO, 1992; COUTINHO, 2003; MOISÉS, 1967; SÁ, 2002) e aceitos pela comunidade leitora como explicação do gênero em foco. Como intersecção dos discursos jornalístico e literário, o gênero crônica traz os mitos dos seus constituintes (MEDEIROS, 2004). Tais mitos - objetividade, verdade-da-informação (MARIANI, 1998), no caso do gênero jornalístico, e subjetividade, polissemia, no caso do literário - associam-se a outros estigmas que reduzem o gênero a uma série de clichês definidores. A revisão teórico-metodológica espera contribuir para a reflexão do professor pesquisador e seu trabalho em sala de aula.

 


Palavras-chave


discurso cronístico; revisão conceitual; gênero crônica; literatura.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI Jr., Davi. Enigma e comentário. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BENDER, Flora Cristina; LAURITO, Ilka Brunhilde. Crônica História, teoria e prática. São Paulo: Scipione. Col. Margens do texto, 1993.

CANDIDO, Antonio. A vida ao rés-do-chão. In: ____ et alii. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

CARDOSO, Joselina Alves. Crônica literária no jornal: história, estrutura e funcionamento. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Literatura e Crítica Literária, Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2008.

COUTINHO, Afrânio. Ensaio e crônica. In: _____. A literatura no Brasil. São Paulo: Global, 2003, vol. 6.

DIMAS, Antonio. A ambiguidade da crônica: literatura ou jornalismo. In: Littera: revista para professor de português e literaturas de língua portuguesa. Ano IV, Nº 12 – setembro-dezembro. Rio de Janeiro: Grifo, 1974.

EAGLETON. T. Teoria da literatura. Uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, edições de 2004 e 1976.

GRANJA, Lucia. No rodapé dos jornais: casos do romance-folhetim. Floema, ano VII, n. 9, p. 147-158, jan./jun. 2011.

GOMES, Gisele A. Entre o público e o privado: a construção do feminino no Brasil do oitocentos, 1827-1846. Dissertação de mestrado, História, UFJF, 2009.

GUSMÃO, Luís de. O fetichismo do conceito. Limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.

KNAUSS, Paulo et al (org.). Revistas Ilustradas. Modos de ler e ver no segundo reinado. Rio de Janeiro: Mauad Faperj, 2011.

LIMA, Costa. Machado: Mestre de Capoeira. In: Intervenções. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002, p. 327-337.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. São Paulo: Contexto, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3. ed. Campinas, São Paulo: Pontes, 1997.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, Angela Paiva (org.). Gêneros textuais & ensino. 5.ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais, 1922-1989. Rio de Janeiro: Revan; Campinas: Unicamp, 1998.

MEDEIROS, Vanise G. de. Discurso cronístico: uma ‘falha no ritual’ jornalístico. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, v.5, n.1. p.93-118. Jul./dez. 2004.

MEDEL, Manuel A. Vázquez. Discurso literário e discurso jornalístico: convergências e divergências. In: CASTRO, Gustavo de & GALENO, Alex (org.). Jornalismo e literatura: a sedução da palavra. 2. ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

MEYER, Marlyse. Folhetim – uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. Folhetim para Almanaque ou Rocambole, a Ilíada do Realejo. In: Almanaque 14: Modos menores de ficção. São Paulo: Brasiliense, 1982, pp. 7-22.

______. MEYER, Marlyse. Um fenômeno poliédrico: o romance folhetim francês do século XIX. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n.2 São Paulo: mai-1994, pp. 123-136. Disponível em: http://www.abralic.org.br/download/revista/Revista_Brasileira_de_Literatura_Comparada_-_02.pdf

MOISÉS, Massaud. A criação literária. Prosa. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

ORLANDI, Eni. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez, 2001.

PENA, Felipe. Jornalismo literário. São Paulo: Contexto, 2006.

PÉCORA, A. Máquina de gêneros. São Paulo: EDUSP, 2001.

PEREIRA, Wellington. Crônica: a arte do útil e do fútil: ensaio sobre crônica no jornalismo impresso. Salvador, BA: Calandra, 2004.

RESENDE, Beatriz (Org.) Cronistas do Rio. 2.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

RIBAS, Maria Cristina C. Onze anos de correspondência: os machados de Assis. Rio de Janeiro: PUC-Rio e Sette Letras, 2008.

______. Literatura e jornal: quem quer integrar este caso? Graphos: Revista da pós-graduação em Letras – UFPB. Vol. 6– Nº 2/1, jul.-dez. 2004.

RODRIGUES, Inara de Oliveira. Efemeridade e permanência no Livro de crônicas, de António Lobo Antunes. Navegações. v. 2, n. 2, p. 141-146, jul./dez. 2009.

SÁ, Jorge de. A crônica. 6 ed. São Paulo: Ática, 2002.

SANTIAGO, S. Uma literatura anfíbia. Revista de Comunicação Social da PUC-Rio, ALCEU - v.3 - n.5 - p. 13 a 21 - jul./dez. 2002.

SIMON, Luis Carlos Santos. Do jornal ao livro: a trajetória da crônica entre a polêmica e o sucesso. Revista Temas & Matizes. n.5 1º sem.2004. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Disponível em: www.unioeste.br/saber

TRAVANCAS, Isabel. O livro no jornal: os suplementos literários dos jornais franceses e brasileiros nos anos 90. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

ZILBERMAN, R. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática S.A.,1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.