A NOVA VELHA REPÚBLICA BRASILEIRA: Reflexões sobre os protestos de 15 de março de 2015.

Ana Maria Ribas

Resumo


O presente artigo elabora reflexões sobre os protestos ocorridos em 15 de março de 2015 contra o governo Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT), tendo como referência a metáfora do palimpsesto para problematizar a nova velha República brasileira. A proposta reside em examinar como tais protestos podem ampliar a compreensão do presente do passado, desvelando visões de Brasil fundadas em paradigmas de pensamento e discursos/linguagens políticas permeados por tradições culturais e (res)sentimentos coletivos, que constroem e são construídos por um espaço de consenso e conflito permanente entre sujeitos históricos. No escopo de outra percepção das articulações presente, passado e futuro, trata-se de desnaturalizar a ideia do presente como resultado unívoco de um passado transcorrido, considerando as impermanências das sociedades humanas e, portanto, o caráter provisório das interpretações.

 


Palavras-chave


República brasileira; Partido dos Trabalhadores; protestos; discursos/linguagens políticas; ressentimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, Idelber. Alegoria da derrota – a ficção pós-ditatorial e o trabalho de luto na América Latina. Tradução de Saulo Gouveia. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

ANSART, Pierre. História e memória dos ressentimentos. In: BRESCIANI, Stella & NAXARA, Márcia (orgs.). Memória e (res)sentimento – indagações sobre uma questão sensível. SP: Ed. da Unicamp, 2004.

BACKSO, Bronislaw. Utopia. In: ROMANO, Ruggiero (Dir.). Enciclopédia Einaudi. Anthropos-Homem. Portugal/Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985, vol. 5, pp. 333-96.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas - magia e técnica; arte e política. Tradução Sérgio Rouanet. 7 ed. São Paulo: Brasiliense: 1985, vol. I, p. 222-232.

BOBBIO, Norberto. A teoria das elites. In: ______ & MATTEUCI, Nicola. Dicionário de Política. 5 ed. São Paulo/Brasília: Imprensa oficial do estado de São Paulo/Editora da UNB, 2004, p. 385-91.

FERNANDES, Florestan. A força do argumento.São Carlos: UFSCar, 1998.

_________. Nova República? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

GINZBURG, Carlo. Os fios e os rastros – verdadeiro, falso, fictício. Trad. Rosa Freire e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

________. Relações de força – história, retórica, prova. Trad. Jônatas Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

________. Sinais – raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais – morfologia e história. Trad. Frederico Carotti. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, p. 143-17.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MARK, Karl. O Dezoito Brumário de Luiz Bonaparte. In: ____ & ENGELS, Friedich. Obras escolhidas, vol. 1, São Paulo: Alfa-Ômega, s/d, p. 199-285.

MOORE JR., Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia – senhores e camponeses na construção do mundo moderno. Lisboa/São Paulo: Cosmos/Martins Fontes, 1975.

NEDER, Gizlene. Os compromissos conservadores do liberalismo no Brasil. Rio de Janeiro: Achiamé, 1979.

RICHTER, Melvin. “Reconstructing the history of political languages: Pocock, Skinner, and the Geschichtliche Grundbegriffe.” In: History and theory. Middletown, v. 29, n.1, 1990, p. 38-70.

SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. A invenção do Brasil: um problema nacional. In: ______. A invenção do Brasil – ensaios de história e cultura. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007, p. 59-69.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.