ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO REMOTO: DESAFIOS NA FORMAÇÃO DOCENTE

Pedro Rafael Oliveira Pinto, Emília Carolina Bispo dos Santos Augusto, Núbia de Oliveira Santos

Resumo


O objetivo geral deste trabalho concentra-se em apresentar desafios enfrentados na formação docente no tocante à participação e execução do Estágio Supervisionado em Educação Infantil de uma universidade pública no contexto remoto. Justifica-se o tema, não só pela demanda exigida pelo tempo vivido, mas, principalmente, pelo compromisso da manutenção da qualidade do ensino superior ofertado, sem o qual muitos estudantes teriam a sua formação mais alijada de experiências com as crianças, do que era de se supor com base nas condições sanitárias. De caráter exploratório e de abordagem qualitativa, o texto apoiou-se em uma perspectiva Freireana para construir as reflexões pretendidas. A metodologia utilizada no trabalho edificou-se no diálogo entre a revisão de literatura acerca da etapa da Educação Infantil, políticas públicas, formação docente e estágio supervisionado com os dados primários coletados a partir das respostas de estudantes de Pedagogia, cursistas em 2020.2 da prática de ensino em Educação Infantil. Como técnica de construção do questionário, recorreu-se à escala Likert. Os resultados apontam para uma dificuldade de coordenação da teoria com a prática na atual proposta, indicando haver uma necessidade de diálogo próprio, em se tratando do contexto remoto. Para além disso, os dados revelaram um perfil de estudantes predominantemente feminino, oriundas, tanto de escolas privadas, quanto públicas, de primeira graduação e com dificuldade de lidar com a carga de leitura da disciplina.


Palavras-chave


educação infantil; estágio supervisionado; pandemia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALMEIDA, L. A. A.; MENDES, S. A. O.; AZEVEDO, A. P. L. A. O estágio supervisionado na formação de professores como espaço-tempo de reflexão sobre e na prática. In: Laplage em Revista (Sorocaba), Vol 5, n.1, jan-abr. 2019. P.108-120. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6813182. Acesso em: 20/04/2021.

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves; MARTINS, Elcimar Simão. Estágio curricular supervisionado como práxis: algumas perguntas e possíveis respostas. Reflexão e Ação, v. 28, n. 1, p. 191-203, 2020. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/12902. Acesso em: 20/04/2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. CNE. Resolução CEB nº 01, de 07 de abril de 1999. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 de abril. 1999.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 10 jan. 2001.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Diário Oficial da União, Brasília, 26 set. 2008. Seção 1, p. 3.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC, 2015.

FRANÇA, Raul Cabral; MASELLA, Marina Basques; DE ARAGÃO, Ana Maria Falcão. A EDUCAÇÃO INFANTIL NA PANDEMIA: a experiência de uma escola pública antirracista. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 3, p. 893-918, 2020. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol20iss3articles/franca-masella-aragao.pdf. Acesso em: 20/03/2021.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ama ensinar. São Paulo: Editora Olho d´Água, 1995.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e. Terra, 1997.

FREIRE, Paulo. “Pedagogia do oprimido”. São Paulo: Paz e Terra, 1974.

GOMES, M. O. As identidades de educadoras de crianças pequenas: um caminho do “eu” ao “nós”. 283 p. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2003. Disponível em:: http://27reuniao.anped.org.br/gt07/t076.pdf. Acesso em 20/03/2021.

GUIMARAES, Daniela Oliveira; ARENHART, Deise; SANTOS, Nubia Oliveira. Educação Infantil Pós LDB/96: Identidade docente e formação de professores. Revista Contemporânea de Educação, v. 12, p. 362-379, 2017. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/4171/pdf. Acesso em 14/03/2021.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CNE. CEB. Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2009.

NOGUEIRA, Jaana & VIEIRA, Sofia. “Educação Infantil: da concepção à implementação de políticas” “Anais do XXVIII Simpósio Brasileiro de Políticas e Administração da Educação - Estado, Política e Gestão da Educação: tensões e agendas em (des)construção”. Biblioteca ANPAE / Série Cadernos, vol. 45, 2017. Disponível em: https://www.anpae.org.br/XXVIIISIMPOSIO/publicacao/AnaisXXVIIISimposio2017.pdf. Acesso em 14/02/2021.

NUNES, Sancineto et al. Teoria de Resposta ao Item para otimização de escalas tipo likert– um exemplo de aplicação. Revista Ibero-americanas de Diagnóstico y Evaluación - e Avaliação Psicológica [em linha]. 2008, 1(25), 51-79[fecha de Consulta 2 de Junio de 2021]. ISSN: 1135-3848. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=459645445004. Acesso em 12/04/2021.

OPNE. Observatório do Plano Nacional de Educação - Meta 1, Educação Infantil. Disponível em: ; acesso em: 19/04/2021.

PIMENTA, Selma G. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática? 7.ed. São Paulo: Cortez, 2006 (p. 183).

ROSEMBERG, F. Organizações multilaterais, estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p. 25-63, mar. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0100-15742002000100002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 30/04/2021.

SILVA, Haíla Ivanilda; GASPAR, Mônica. Estágio supervisionado: a relação teoria e prática reflexiva na formação de professores do curso de Licenciatura em Pedagogia. Revista brasileira de estudos pedagógicos, v. 99, n. 251, p. 205-221, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2176-66812018000100205&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em 12/04/2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.