AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE ESPORTE, OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS E A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÕES DE TENSÃO ENTRE OS OBJETIVOS PROPOSTOS

Bruno Inocencio Vicente

Resumo


Grandes eventos esportivos passaram por nosso país e com ele o poder público implementou, mesmo que provisoriamente, diversos programas esportivos, visando a formação de atletas através da formação de base, ou seja: a escola. Portanto, o estudo veio analisar através das principais obras que inauguraram as abordagens da Educação Física escolar o anacronismo entre os objetivos propostos pelas mesmas e os que são divulgados pelo poder público. Através de discursos um tanto duvidosos quando analisados a luz de sua prática e porventura da época em que os mesmo foram lançados é possível entender os reais interesses que estão por trás desses projetos esportivos. Compreendendo os objetivos, conteúdos e metodologias que divulgam as diferentes abordagens e o consenso pela superação do modelo que imperou por décadas nas quadras de nosso país, em que o esporte era o conteúdo hegemônico da disciplina e a metodologia adotada nas aulas era a tradicional. Portanto, a luz dessas abordagens é possível analisar de forma crítica os programas esportivos do governo federal e os megaeventos, questionando seus pontos contraditórios e somente assim sendo possível instrumentalizar nossos alunos a exigirem do poder público os reais legados dos Megaeventos e que os projetos esportivos ofereçam a prática esportiva nas suas diferentes dimensões. Caso isto não ocorra, podemos ter um retrocesso histórico, voltando a Educação Física escolar a servir aos interesses escusos, que em outros momentos da história, não foi a favor da maioria, mas sim de uma minoria escolhida através das suas habilidades técnicas para determinados esportes.

Palavras-chave


Megaeventos esportivos, Políticas públicas, Educação Física escolar

Texto completo:

PDF

Referências


BRACHT, V.; ALMEIDA, F. Q. A política de esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 24, p. 87-101, 2003.

__________________________. Esporte, escola e a tensão que os megaeventos esportivos trazem para a Educação Física Escolar. Em aberto, Brasília, v. 26, n. 89, p. 131-143, 2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Educação Física. Ministério da Educação/Secretária do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

Darido S.C; Rangel I.C.A. (Org.). Educação Física no Ensino Superior: Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FREIRE, J.B. Educação de corpo inteiro, São Paulo: Scipione, 2009.

GHIRALDELLI, J.P. Educação física progressista: a pedagogia crítico-social dos conteúdos e a educação física brasileira. São Paulo. Loyola, 1994.

GOMES, I.S; CAMINHA, de O. I. Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Movimento, Porto Alegre, v.20, n.1, p. 395-411, 2014.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte, Ijuí RS, Editora Unijuí, 2004.

LIBÂNEO, J.C. Didática. Campinas; SP.Ed. Papirus, 2013.

MELLO, A. M. de. Psicomotricidade, Educação Física e jogos infantis. Rio de Janeiro, 2005.

REIS, et al. Programa de formação esportiva na escola – atleta na escola: fundamentos lógicos e circunstâncias históricas. Motrivivência, v.27, n.44, p.190-206, 2015.

RODRIGUES JUNIOR, J.C.; SILVA, C L da. A significação nas aulas de Educação Física: encontro e confronto dos diferentes "subúrbios" de conhecimento. Pro-Posições, Campinas , v. 19, n. 1, p. 159-172, Apr. 2008 .

SOARES, et al. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

TANI, G.; MANOEL, E. J.; KOKUBUN, E.; PROENÇA, J. E. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU: EDUSP, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v4i1.1197

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.