ESTUDOS COMPARATIVOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES ANTROPOLÓGICAS DE ALFRED RADCLIFFE-BROWN E FRANZ BOAS

Alan Camargo Silva

Resumo


Alfred Radcliffe-Brown preconiza “leis gerais” para compreender as sociedades. Franz Boas, munido do conceito de cultura, se detém exclusivamente à microrrealidade em estudo, como se a cultura fosse um fato em si. Destarte, esse texto argumenta sobre a necessidade de frentes de investigações na Educação Física escolar que levem em consideração as nuances dos dados que podem se apresentar em diferentes realidades conduzidas por meio da abordagem qualitativa. Em especial, este texto sugere reflexões sobre novas pesquisas que considerem as aparentes tensões entre aspectos “universais” e “singulares” dos dados presentes nos estudos principalmente de caráter antropológico. Desse modo, o presente ensaio objetiva apresentar as possíveis contribuições teóricas dos pensamentos de Alfred Radcliffe-Brown e de Franz Boas especificamente para os estudos comparativos em Educação Física escolar.


Palavras-chave


Educação Física; Escola; Ciências Sociais; Antropologia, Cultura; Pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em Educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.

BEAUD, S.; WEBER, F. Guia para a pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos. Petrópolis: Vozes, 2007.

BECKER, H. S. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

BECKER, H. S. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BIZUMIC, B. Ethnocentrism: integrated perspectives. London: Routledge, 2019.

BOAS, F. Cuestiones fundamentales de antropología cultural. Buenos Aires: Ed. Solar/ Hachette, 1964.

BOAS, F. As limitações do método comparativo da Antropologia. In: CASTRO, C. (Org.) Franz Boas. Antropologia Cultural. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. p. 25-39.

CANDEA, M. Comparison in Anthropology: the impossible method. Cambridge: Cambridge University Press, 2019.

CASTRO, C. Apresentação. In: CASTRO, C. (Org.). Franz Boas. Antropologia Cultural. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. p. 7-23.

CLIFFORD, J. Sobre a autoridade etnográfica. In: GONÇALVES, J. R. S. (Org.). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008. p. 17-58.

DAOLIO, J. Da cultura do corpo. Campinas: Papirus, 1995.

DAOLIO, J. Educação Física e o conceito de cultura. Campinas: Autores Associados, 2004.

DAOLIO, J. Corpos e culturas: a atualidade do pensamento de Marcel Mauss. In: SILVA, M. C. P.; ATHAYDE, P.; LARA, L. (Orgs.). Corpo e cultura. Natal: EDUFRN, 2020. p. 117-127.

ERIKSEN, T. H.; NIELSEN, F. S. A history of Anthropology. London: Pluto Press, 2013.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

GOELLNER, S. V. et al. Pesquisa qualitativa na Educação Física brasileira: marco teórico e modos de usar. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 21, n. 3, p. 381-410, 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.

LÜDORF, S. M. A. Corpo e Educação Física: por uma educação sociocorporal. In: SILVA, M.; ORLANDO, C.; ZEN, G. (Orgs.). Didática: abordagens teóricas contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 305-329.

LÜDORF, S. M. A. Metodologia da pesquisa: do projeto ao trabalho de conclusão de curso. Curitiba: Appris, 2017.

MAGNANI, J. G. C. Antropologia e Educação Física. In: CARVALHO, Y. M.; RUBIO, K. (Orgs.). Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo: Hucitec, 2001. p. 17-26.

McGOWAN, A. H. The lessons of Franz Boas. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Oxford, v. 149, p. 558-564, 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.

MOORE, J. D. Visions of culture: an annotated reader. London: Rowman & Littlefield Group, 2019.

NEIRA, M. G. Educação Física cultural: inspiração e prática pedagógica. 2. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2019.

PEIRANO, M. A favor da etnografia. Brasília: UnB/ Série Antropologia, 1992.

RADCLIFFE-BROWN, A. O método comparativo em Antropologia Social. In: MELATTI, J. C. (Org.). Radcliffe-Brown. São Paulo: Ática, 1978. p. 43-58.

SALES, L. S. Estruturalismo – história, definições e problemas. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 33, p. 159-188, 2003.

SHELTON, S. A.; FLINT, M. A. The value of transcription in encouraging researcher reflexivity. London: SAGE Research Methods Cases, 2019.

SILVA, A. C. Da Antropologia da Saúde para Educação Física: práticas corporais sob análise. In: TELLES, S.; LÜDORF, S. M. A.; PEREIRA, E. (Orgs.). Pesquisa em Educação Física: perspectivas sociocultural e pedagógica em foco. Rio de Janeiro: Autografia, 2017. p. 50-57.

SMITH, J.; DARNELL, R.; HANCOCK, R. L. A.; MORITZ, S. The Franz Boas papers: documentary edition. Journal of Northwest Anthropology, Richland, v. 48, n. 1, p. 93-106, 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.

STENGERS, I. Another science is possible: a manifesto for slow science. Cambridge: Polity Press, 2018.

WITTEVEEN, J. Objectivity, historicity, taxonomy. Erkenntnis, Amsterdam, v. 83, p. 445–463, 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.

ZYGADLO, P. Cultural particularism and intercultural communication: the case of chinese face. IAFOR Journal of Cultural Studies, Nagoya, v. 3, n. 2, p. 65-78, 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v6i1.3152

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.