Uma conversa sobre as vivências do corpo na Educação Infantil: mas, de que corpo estamos falando, professores?

Edilane Oliveira da Silva, Graciele Andrade Rangel

Resumo


O objetivo do trabalho é investigar como o corpo vem sendo vivenciado nas instituições de E.I e como a formação do professor afeta a formação da criança. Para isso, fizemos entrevistas com professoras de duas instituições, sendo uma municipal e outra comunitária, ambas localizadas no Rio de Janeiro. Em nossas análises nos apoiamos principalmente nos estudos de Duarte Jr., Larrosa, e Focault,. As discussões tecidas foram entendidas como questões para posteriormente serem debatidas em lócus.


Palavras-chave


Formação, Educação, Educação Estética ,corpo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENHART, Deise. Entre a favela e o castelo: efeitos de geração e classe social nas culturas infantis.2012.

BRASIL. Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil: Formação Social e Pessoal. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto / Secretaria de Educação Fundamental, 1998 a.

_______ Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto / Secretaria de Educação Fundamental, 1998b.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 2009.

_______. Lei nº 9.394: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Diário Oficial da União, Brasília, dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 13/12/2014

_______ Parecer CNE/CEB nº. 20/2009 aprovado em 11 de novembro de 2009.

DUARTE JUNIOR, João Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 2000. 234f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

FERREIRA, Luciana Haddad. A arte de olhar: percursos em educação. Campinas, SP: Ilion Editora, 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Rj: Vozes, 2003.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo horizonte: Autêntica, 2014. (Coleção Educação: Experiência e sentido).

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Científica. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2004. 305p.

MOSÉ, Viviane. O homem que sabe: o homem sapiens á crise da razão. Rio de Janeiro: Civilização, 2012.

ORMEZZANO, Graciela. Educação Estética: abordagens e perspectivas. [Editorial]. Em Aberto, v. 21, n. 77, p. 15-38, jun. 2007.

OSTETTO, Luciana Esmeralda; LEITE, Maria Isabel (Orgs). Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. São Paulo: Papirus, 2004.

SOUZA, Elizeu Clementino (Org.). (Auto)biografias, histórias de vida e práticas de formação. IN: NASCIMENTO, Ad; HETKOWSKI, TM (Orgs). Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007. 310 p. Disponível em: http://books.scielo.org/id/f5jk5/pdf/nascimento-9788523209186-04.pdf

SOUZA, Solange Jobim; ALBUQUERQUE, Elaine Deccache Porto. A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana / Research in human Sciences: a bakhtinian reader. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bak/v7n2/08.pdf.

VASCONCELLOS, Celso. Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola. 11. ed. São Paulo: Libertad, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2447-0694

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.